Tractebel tem queda de 32% no lucro do 1o tri; espera melhora no 2o semestre

sexta-feira, 25 de abril de 2014 19:28 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - A Tractebel Energia, uma das principais geradoras de energia elétrica do país, teve uma redução de 32 por cento no lucro do primeiro trimestre na comparação com mesmo período de 2013, afetada principalmente por efeitos negativos de transações no mercado de curto prazo de energia.

A empresa optou em 2014 por alocar uma parcela maior de sua disponibilidade comercial de energia na segunda metade do ano, o que tende a afetar negativamente a empresa agora mas poderá resultar em "resultados mais robustos" no próximo semestre, disse em comunicado à imprensa.

O lucro da empresa somou 289,2 milhões de reais no primeiro trimestre ante 425 milhões de reais em 2014.

"A queda de desempenho no trimestre era esperada, em razão da alocação que fizemos. E a magnitude das oscilações da performance financeira mensal ou trimestral ficou muito amplificada com o preço spot batendo no seu valor máximo acima de 800 reais por MWh", disse o presidente da empresa, Manoel Zaroni Torres, em comunicado à imprensa.

O Ebitda (sigla em inglês para lucro antes de juros, impostos, amortização e depreciação) também registrou queda, de 20,3 por cento, na comparação anual, a 694,1 milhões de reais.

Essa redução está relacionada ao efeito negativo das transações no mercado de curto prazo no valor de 143,6 milhões de reais, aumento das compras de energia para revenda, no valor de 90,2 milhões de reais e o crescimento no consumo de combustível em 23 milhões de reais. Além disso, houve elevação dos custos com a compensação financeira pela utilização dos recursos hídricos em 13,6 milhões.

Apesar das quedas de lucro e Ebitda, a empresa teve aumento de 18,1 por cento na receita líquida de vendas, principalmente pelo aumento das operações no mercado de curto prazo e elevação do preço médio de venda de energia.

A Tractebel teve receita de 1,64 bilhão de reais no primeiro trimestre. O faturamento foi apoiado em aumento de 154,6 milhões de reais nas transações no mercado de curto prazo, ganho de 81,7 milhões de reais por elevação do preço médio líquido de venda de energia e impacto positivo de 22,3 milhões de reais por incremento do volume de energia vendido.

A quantidade de energia vendida pela empresa no primeiro trimestre foi de 9.123GWh, crescimento de 2,4 por cento, ante os três primeiros meses de 2013 -- elevação explicada principalmente pelo início da operação do Complexo Eólico Trairi e da elevação do volume de compra de energia.

Já o preço médio dos contratos de venda de energia, líquido das exportações e deduções sobre a receita operacional bruta, foi de 144,54 reais por MWh, 6 por cento superior ao praticado no primeiro trimestre de 2013.

(Por Anna Flávia Rochas)