França diz que pode bloquear acordo envolvendo Alstom; Hollande se reúne com GE

segunda-feira, 28 de abril de 2014 09:17 BRT
 

PARIS, 28 Abr (Reuters) - A França vai bloquear qualquer negócio envolvendo o grupo de engenharia Alstom que considerar impróprio, afirmou o ministro da Economia, Arnaud Montebourg, antes de uma reunião entre o presidente do país, François Hollande, e o presidente-executivo da General Electric para discutir o futuro da Alstom.

O encontro entre o chefe de Estado francês e o chefe de uma das 10 maiores empresas listadas em bolsa do mundo segue um fim de semana de drama político e societário, durante o qual a rival alemã da Alstom, a Siemens, propôs uma troca de ativos para combater um potencial acordo entre Alstom e GE.

O presidente-executivo da GE, Jeff Immelt, chegou ao palácio presidencial nesta manhã com Clara Gaymard, chefe da GE França, e disse bom dia aos repórteres antes de entrar no Elysee.

Horas antes da reunião, Montebourg disse que a França iria bloquear qualquer acordo que considerasse inadequado para os interesses de longos prazo da empresa francesa, seus colaboradores e a economia.

Mas ele não chegou a mencionar uma nacionalização da Alstom caso nenhuma das ofertas sejam consideradas aceitáveis.

Montebourg e Hollande também se reunirão com o CEO da Siemens, Joe Kaeser, ele acrescentou. Em seguida, eles terão uma reunião com Martin Bouygues, o bilionário presidente do Conselho do conglomerado Bouygues, maior acionista da Alstom com uma participação de 29,4 por cento.

"Estamos trabalhando para melhorar as ofertas para ter certeza ... que as empresas francesas não fiquem presas", disse Montebourg à rádio RTL. "Por outro lado, estamos abertos a alianças que ajudem a nos equipar para a globalização."

"Por enquanto estamos em discussões com duas partes, a General Electric e a Siemens. Elas têm duas ofertas que permitiriam a adoção de diferentes estratégias industriais."

Immelt foi a Paris com o objetivo de chegar a um acordo de 13 bilhões de dólares para comprar o negócio de turbinas de energia da Alstom, após a notícia de conversas entre o grupo norte-americano e o francês na última semana.   Continuação...