Minha Casa 3 deve ser lançado em junho com meta inicial de 3 mi moradias

segunda-feira, 28 de abril de 2014 19:06 BRT
 

Por Jeferson Ribeiro

BRASÍLIA (Reuters) - A presidente Dilma Rousseff quer lançar a terceira fase do programa Minha Casa Minha Vida em junho e quer ter uma meta de, no mínimo, 3 milhões de moradias contratadas nos próximos quatro anos, disse à Reuters o presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), Paulo Simão Safady, nesta segunda-feira.

O programa habitacional do governo federal foi lançado no final do mandato do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e ampliado durante a gestão de Dilma. A segunda fase do programa atualmente tem como meta a contratação de 2,7 milhões de moradias até o final deste ano.

Nesta segunda-feira, a presidente reuniu representantes das construtoras e membros do governo para definir a terceira etapa do programa.

Safady disse que nessa primeira reunião com os empresários foram apresentadas sugestões para melhorar o programa, para ampliar as faixas de atendimento e atender a nova classe média e foram discutidos aspectos que podem elevar o preço das habitações construídas pelo programa.

"Ela (Dilma) quer lançar em junho e ouviu nossas sugestões. A presidente quer que estudemos, por exemplo, a construção de uma cerca entre as moradias, pode ser uma cerca viva inclusive. Ela argumenta que isso dará mais segurança e conforto ao morador", disse o presidente da CBIC à Reuters.

Segundo ele, as mudanças nos indicadores de desempenho que estão sendo analisadas pelo Ministério das Cidades podem resultar numa elevação do preço dos imóveis entre 5 por cento e 8 por cento. "Já está um pouco defasado, porque está há dois anos sem reajuste", lembrou o empresário.

Safady disse ainda que é provável que o governo crie mais uma faixa de atendimento no programa. Hoje, cada morador pode se adequar em até três faixas de renda, quanto mais baixa, maior o subsídio do governo.

"A gente sugeriu que seja criada uma faixa intermediária entre a menor faixa de renda e a segunda faixa. É nesse segmento que há maior carência por moradia", disse o empresário. Nessa nova faixa o subsídio do governo poderá ser menor, segundo ele.

Atualmente, a primeira faixa do programa vale para famílias com renda mensal de 1.600 reais. A segunda envolve famílias com renda de até 3.100 reais e a terceira vai até 5 mil reais. Na área rural, as faixas de renda são anuais: até 15 mil reais, até 30 mil reais e até 60 mil reais.

Mais cedo, o governo federal havia informado que a previsão inicial de subsídios para a próxima fase do Minha Casa Minha Vida é de aproximadamente 135 bilhões de reais.