Lucro da Vale recua no 1º tri com queda no preço do minério

quarta-feira, 30 de abril de 2014 14:08 BRT
 

Por Roberto Samora e Jeb Blount

SÃO PAULO/RIO DE JANEIRO, 30 Abr (Reuters) - A mineradora Vale, maior produtora de minério de ferro do mundo, teve lucro líquido de 2,52 bilhões de dólares no primeiro trimestre de 2014, queda de 19 por cento na comparação com o mesmo período do ano passado, em meio a preços mais baixos de seu principal produto, que foram pressionados pelo cenário da economia chinesa.

O preço médio de minério de ferro da Vale no período foi de 90,52 dólares por tonelada, queda de 18,9 por cento ante os 111,69 dólares/t no mesmo período de 2013, num cenário de aumento na oferta das grande mineradoras globais e preocupações com a perspectiva econômica da China, maior importadora mundial da commodity.

Além disso, Vale reportou preço de venda do minério de ferro menor que o esperado.

"O principal fator negativo foi o preço realizado de minério de 91 dólares/t (equivalente a 81 dólares/t FOB Brasil ante 120 dólares/t no mercado à vista na China). Isso ficou 10 dólares abaixo da nossa expectativa", afirmou o Citi em relatório nesta manhã, acrescentando que os resultados operacionais vieram em grande parte em linha com o esperado, com uma boa performance na geração de caixa.

O banco UBS também disse que a Vale "supreendentemente" reportou preços de vendas de minério de ferro de 90,5 dólares por tonelada.

O lucro veio ligeiramente abaixo dos 2,59 bilhões de dólares previstos por analistas consultados pela Reuters.

As ações preferenciais da companhia operavam em queda de 0,79 por cento, enquanto o Ibovespa recuava 0,26 por cento às 12h45.

A Vale explicou que houve impacto negativo de 9,5 dólares/t decorrentes de ajustes do preço provisório para vendas baseadas no preço spot.   Continuação...

 
Vista da mina de ferro Ferro Carajás em Parauapebas. A mineradora Vale, maior produtora de minério de ferro do mundo, teve lucro líquido de 2,52 bilhões de dólares no primeiro trimestre de 2014, queda de 19 por cento na comparação com o mesmo período do ano passado, em meio a preços mais baixos de seu principal produto, que foram pressionados pelo cenário da economia chinesa. 29/05/2012 REUTERS/Lunae Parracho