BB promete melhorar margens, receitas, provisões e Basileia

quarta-feira, 7 de maio de 2014 16:22 BRT
 

Por Aluísio Alves

SÃO PAULO (Reuters) - O Banco do Brasil prometeu nesta quarta-feira empenho para melhorar indicadores de desempenho operacional, à medida que busca o difícil equilíbrio de crescimento com rentabilidade.

"Vamos evoluir nossos indicadores em direção às nossas previsões", disse a jornalistas o vice-presidente de Finanças do BB, Ivan Monteiro, sobre os resultados do primeiro trimestre.

O balanço do período mostrou uma combinação de crescimento do crédito ainda acima dos principais rivais e leve queda da inadimplência, mas com avanço das provisões para perdas com calotes, fraco avanço das receitas e margens.

Esse cenário motivou comentários cautelosos de analistas, que apontaram também o declínio no trimestre do nível de capital medido pelo índice de Basileia, com o BB se alinhando a regras mais rígidas de capital.

Em relatório, analistas do JPMorgan atribuíram a queda nas margens com operações de crédito ao aumento dos custos de captação, em meio ao ciclo de alta da Selic desde o ano passado, pressão que deve diminuir à medida que o juro se estabilize.

"Vemos uma evolução sem brilho dos lucros, um limitado colchão de capital, e uma rentabilidade que consideramos abaixo da necessária para recompensar o custo de capital", afirmou em relatório a equipe do JPMorgan liderada por Saul Martinez.

No trimestre, a rentabilidade do BB ajustada sobre o patrimônio líquido (ROE), índice que mede como os bancos remuneram os recursos de seus acionistas, teve uma queda de 3,4 pontos percentuais em 12 meses, para 14 por cento.

O retorno recorrente do Itaú Unibanco sobre o patrimônio foi de 22,6 por cento no trimestre, enquanto o do Bradesco atingiu 20,5 por cento, melhor nível em sete trimestres.   Continuação...