Dólar cai 0,49% ante real com expectativa de entradas, apesar de BC

quarta-feira, 7 de maio de 2014 17:16 BRT
 

Por Bruno Federowski

SÃO PAULO, 7 Mai (Reuters) - O dólar fechou em queda ante o real nesta quarta-feira, diante das persistentes expectativas de ingresso de recursos na economia brasileira, mas a atuação reduzida do Banco Central evitou depreciações maiores.

A queda da divisa dos Estados Unidos em relação a outras moedas emergentes também ajudou o movimento, após declarações do presidente da Rússia, Vladimir Putin, aliviarem as tensões em torno da Ucrânia.

A moeda norte-americana recuou 0,49 por cento, a 2,2181 reais na venda. Segundo dados da BM&F, o giro financeiro ficou em torno de 1,5 bilhão de dólares.

"O dólar chegou num nível de equilíbrio. Temos visto muitas entradas, mas quando recuou abaixo de 2,20 reais, vimos o BC reduzir a rolagem de swaps cambiais", afirmou o diretor de câmbio da corretora Pioneer, João Medeiros, destacando a emissão de 1,3 bilhão de dólares da Caixa Econômica Federal na véspera.

A perspectiva de fluxo positivo ganhou mais um impulso nesta quarta-feira. Segundo o BC, o país registrou entrada líquida de 2,783 bilhões de dólares em abril, melhor desempenho desde maio do ano passado.

É praticamente consensual entre os agentes do mercado que o nível de 2,20 reais tornou-se um piso informal no curto prazo. A interpretação é que o patamar agrada o BC, pois não é inflacionário e ao mesmo não prejudica as exportações.

Essa tese ganhou força quando a autoridade monetária reduziu a intervenção no mercado de câmbio pouco após a divisa norte-americana cair abaixo desse patamar. No mês passado, deixou vencer alguns swaps cambiais, que equivalem a venda futura de dólares, e, em seguida, cortou pela metade a oferta de contratos na rolagem dos swaps que vencem em 2 de junho.

"O BC deixou claro que não quer o dólar abaixo de 2,20 reais", resumiu o gerente de câmbio da corretora Treviso, Reginaldo Galhardo, que acredita que o fluxo positivo também impede que o dólar supere 2,25 reais no curto prazo.   Continuação...