Bovespa tem 4a alta e supera 54 mil pts pela 1a vez desde novembro

quarta-feira, 7 de maio de 2014 18:13 BRT
 

Por Priscila Jordão

SÃO PAULO, 7 Mai (Reuters) - A Bovespa teve seu quarto pregão seguido no azul e renovou máxima desde novembro nesta quarta-feira, guiada mais uma vez pelas ações da Petrobras e com investidores digerindo nova safra de balanços corporativos.

O Ibovespa subiu 0,51 por cento, a 54.052 pontos. Foi a primeira vez que o índice fechou acima dos 54 mil pontos desde 18 de novembro. Desde 14 de março, quando se iniciou um forte rali do índice, a valorização acumulada é de 20 por cento. O giro financeiro do pregão foi de 8,4 bilhões de reais.

Como no pregão da véspera, o índice operou no vermelho pela manhã e reverteu, puxado por Petrobras, cujas ações subiram quase 2 por cento. A preferencial da estatal já acumula alta de 57 por cento nos últimos 34 dias. Para profissionais do mercado, investidores se antecipam a nova pesquisa do Datafolha sobre a corrida presidencial, mas a percepção sobre a companhia também pode estar mudando.

"Os estrangeiros estão montando posição na empresa. O mercado está projetando que as pesquisas virão a favor de um segundo turno e que a questão da CPI possa, lá na frente, gerar uma empresa mais sólida e com maior transparência", disse o economista Fausto Gouveia, da Legan Asset.

A mineradora Vale e bancos também ampararam o Ibovespa, além da Gerdau, após a siderúrgica divulgar resultado acima do esperado pelo mercado para o primeiro trimestre, apesar de queda nas vendas de aço.

Mas a maior alta ficou por conta da Anhanguera Educacional, que chegou a subir mais de 10 por cento na máxima, e foi seguida de perto pela Kroton. As companhias de educação divulgaram pela manhã mudança na relação de troca de ações para a sua fusão, reduzindo o valor atribuído à Anhanguera na operação.

Na avaliação da equipe da análise da XP Investimentos, o anúncio tira a incerteza que pesava sobre as ações e indica que a fusão está mais perto de sair, favorecendo a Anhanguera, cujos papéis vinham sofrendo com a perspectiva de não aprovação do acordo pelo Conselho Administrivo de Defesa Econômica (Cade).

Além disso, a relação de troca ficou mais favorável a acionistas da Kroton, cuja ação ainda foi beneficiada pela divulgação de prévia de resultado de primeiro trimestre.   Continuação...