Lucro da Braskem sobe com venda de ativos; empresa avalia mais alienações

quinta-feira, 8 de maio de 2014 13:54 BRT
 

Por Roberta Vilas Boas

SÃO PAULO, 8 Mai (Reuters) - A Braskem viu seu lucro saltar 70 por cento no primeiro trimestre, impulsionado por receitas com alienações, e mantém a estratégia de vender ativos não estratégicos de tratamento de água e logística.

A maior petroquímica das Américas informou também segue renegociando seu contrato de compra de nafta com a Petrobras e espera assinar a renovação nos próximos meses.

"A ideia é que se faça isso (assinatura da renovação) nos próximos meses", disse o presidente da Braskem, Carlos Fadigas, em coletiva de imprensa, acrescentando que as recentes polêmicas envolvendo a Petrobras sobre a compra de uma refinaria nos Estados Unidos não afetam as negociações.

Em dezembro passado, surgiram informações de que a estatal estaria tentando repassar custos mais altos com gasolina para a petroquímica, derrubando as ações da Braskem na bolsa. Cerca de 70 por cento da nafta consumida pela petroquímica é da estatal.

A Braskem viu seu lucro líquido subir 70 por cento ante o primeiro trimestre de 2013, a 396 milhões de reais. A empresa atribuiu o crescimento à venda da unidade de tratamento de água em Triunfo (RS) e à adoção da contabilidade de hedge desde maio passado, para melhor refletir os efeitos de variações cambiais.

A companhia reconheceu 277 milhões de reais no trimestre decorrentes da venda da unidade de tratamento de água para a Odebrecht Ambiental.

Dentro da estratégia de vender ativos não estratégicos, a Braskem já havia vendido no fim de 2012 a empresa de tratamento de resíduos Cetrel e a Unidade de Tratamento de Água do pólo petroquímico de Camaçari (BA) também para a Odebrecht Ambiental.

Segundo Fadigas, a Braskem mantém a intenção de vender outros ativos não estratégicos, diante na necessidade de caixa para novos projetos como o Etileno XXI, no México, e a compra da Solvay Indupa.   Continuação...