Petrobras espera concluir investigação sobre Pasadena em junho

segunda-feira, 12 de maio de 2014 15:32 BRT
 

RIO DE JANEIRO, 12 Mai (Reuters) - A comissão interna da Petrobras que investiga negócios relacionados à polêmica aquisição da refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos, deve concluir suas apurações em junho.

"Nós estamos caminhando para o final do processo que tem como objetivo analisar fatos e dados da aquisição da refinaria, para identificar impactos e responsabilidades que podem ter trazido prejuízo para a companhia", disse a presidente da Petrobras, Maria das Graças Foster, em entrevista a jornalistas nesta segunda-feira.

A compra da refinaria localizada no Texas, envolvida numa controvérsia sobre os valores desembolsados pela Petrobras, motivou pedido da instalação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), já aprovada.

"É um compromisso da diretoria e do empregado com ética, transparência na condução das atividades", adicionou ela durante comentários sobre os resultados do primeiro trimestre divulgados na sexta-feira.

O movimento de investigação dos negócios relacionados a Pasadena se intensificou após Dilma Rousseff, presidente do Conselho da estatal na época do negócio, ter dito em março que o aval para a compra da refinaria foi dado com base num documento "técnica e juridicamente falho".

Segundo a nota da Presidência da República, o resumo executivo preparado pela diretoria da Área Internacional na época "omitia" informações como a cláusula "put option", que levou a Petrobras a pagar valores muito maiores pela refinaria do que os 360 milhões de dólares desembolsados inicialmente por 50 por cento da unidade.

Ao final, a estatal pagou 1,25 bilhão de dólares por Pasadena e ainda teve de fazer investimentos de 685 milhões de dólares em melhorias operacionais, manutenção, paradas programadas até 2013.

OUTRAS INVESTIGAÇÕES

Outras duas comissões internas têm demandado esforços adicionais por parte do corpo técnico da estatal, com investigações sobre a compra e contratação de bens e serviços para a Refinaria do Nordeste (Rnest) e para o Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj).   Continuação...