Ministros divergem sobre subsídios agrícolas em reunião na OMC

domingo, 20 de julho de 2008 13:27 BRT
 

Por Jonathan Lynn

GENEBRA (Reuters) - Ministros de mais de 30 potências comerciais se reuniram em Genebra neste domingo para negociar alianças, como preparação para conversações decisivas na próxima semana sobre a formação de um novo pacto mundial de comércio. Várias dificuldades na questão agrícola continuam firmes no foco do debate.

O diretor-geral da Organização Mundial do Comércio (OMC), Pascal Lamy, convocou os ministros a Genebra para buscar uma saída para os sete anos da Rodada de Doha, que visa a diminuir barreiras comerciais em todo o mundo.

Os vários grupos de interesse entre os 152 membros da OMC, como o Grupo de Cairns (de exportadores de alimentos) e os países do APC (Africa, Caribe e pacífico), se reuniram neste domingo para traçar sua estratégia.

Logo se tornou evidente que o nível de subsídios agrícolas dos Estados Unidos seria um dos primeiros objetos de contenda.

A representante de Comércio dos EUA, Susan Schwab, vem dizendo que seu país está pronto para fazer cortes "enormes" no apoio aos fazendeiros. Os países em desenvolvimento afirmam que esse incentivo distorce o comércio internacional e empurra seus produtores para fora do mercado.

As últimas propostas da OMC pediam um corte de cerca de 70 por cento nos subsídios prejudiciais dados ao comércio dos EUA, que não poderiam ultrapassar o valor de 13 a 16,4 bilhões de dólares.

Mas esse número se refere ao teto negociado na OMC e não ao valor pago de fato ou destinado pelo governo, que agora está por volta de metade disso, ou cerca de 7 bilhões de dólares, graças ao aumento dos preços mundiais dos alimentos.

"Aqueles números dos níveis atuais de apoio interno dos EUA são um dos dados que surgiram na discussão", disse a ministra do Comércio da Indonésia, Mari Pangestu, depois de uma reunião do G-33, grupo formado por países em desenvolvimento.   Continuação...