Obama e McCain trocam piadas e evitam ataques

sexta-feira, 17 de outubro de 2008 09:31 BRT
 

Por John Whitesides e Jeff Mason

NOVA YORK, 17 de outubro (Reuters) - Os candidatos a presidente dos EUA Barack Obama e John McCain voltaram a dividir palanque e microfone na quinta-feira, mas desta vez trocaram apenas brincadeiras, deixando os ataques de lado.

Um dia depois do tenso debate final pela TV, os rivais colocaram gravata branca para participar de uma tradição política mais afável --um banquete beneficente católico em Nova York, que desde 1945 só não atraiu os candidatos a presidente em duas ocasiões.

McCain começou a noite anunciando a demissão de todos os seus assessores. "Todas as suas posições agora serão ocupadas por um homem chamado Joe, o encanador", disse ele, recuperando o personagem real que protagonizou o debate de quarta-feira, sendo citado 26 vezes pelos dois candidatos.

O senador também fez graça com o fato de, num debate anterior da campanha, ter se referido a Obama como "aquele lá".

"Ele não liga. Na verdade, ele também arrumou um apelido para mim: George Bush", disse o republicano, que costuma contestar as comparações que o democrata traça entre seu rival e o impopular presidente George W. Bush.

McCain cumprimentou a senadora democrata Hillary Clinton, que foi a principal adversária de Obama na disputa deste ano pela indicação democrata. "Não posso afastar a sensação de que algumas pessoas aqui torcem por mim. Estou contente de ver você aqui esta noite, Hillary", disse ele. A senadora faz campanha por Obama, embora os republicanos cortejem o eleitorado dela.

Quando o candidato democrata assumiu o microfone, disse que precisaria corrigir alguns equívocos correntes, já que a campanha de McCain insiste em perguntar "Quem é Barack Obama?"

"Não nasci numa manjedoura", explicou ele, acrescentando que Barack, nome dado por seu pai, que era queniano, vem do idioma suahíle e significa "aquele lá" --justamente o termo usado por McCain no debate.   Continuação...