Colômbia diz que há avanços em tentativa de acordo com as Farc

terça-feira, 30 de outubro de 2007 15:35 BRST
 

BOGOTÁ (Reuters) - A Colômbia anunciou na terça-feira que houve avanços no esforço de aproximação entre o presidente da Venezuela e a maior guerrilha esquerdista colombiana, as Farc, com o objetivo de chegar a um acordo e libertar o grupo de reféns sequestrados há anos, assim como de obter um pacto inicial de paz.

Luis Carlos Restrepo, alto comissário para a paz, afirmou que Rodrigo Granda, considerado chanceler das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia, viajou de Havana até Caracas para facilitar um encontro entre o presidente Hugo Chávez e líderes do grupo rebelde.

"O senhor Rodrigo Granda, que havia saído da prisão com uma autorização para fazer avançar as gestões de paz e para que pudesse se movimentar entre Havana e Caracas, já foi até a Venezuela, pelo que sabemos, para o estabelecimento dessas pontes de comunicação", disse Restrepo à rádio Caracol.

Granda foi libertado em junho pelo presidente Alvaro Uribe, a pedido do governo da França, como um gesto unilateral pela soltura da ex-candidata presidencial Ingrid Betancourt, que tem cidadania francesa, e de outros reféns.

No fim de agosto, Uribe autorizou Chávez a atuar como intermediário na busca de um acordo com as Farc pela liberdade de 49 reféns -- entre eles três norte-americanos, um ex-governador, cinco ex-parlamentares e vários militares.

Desde então, o presidente venezuelano, que goza da simpatia da guerrilha colombiana, deu início a negociações para receber no país um representante das Farc.

A guerrilha exigia que o governo colombiano retirasse as Forças Armadas de uma área de 780 km quadrados, para que houvesse um encontro entre as duas partes. Uribe recusou à demanda. Restrepo afirmou também que o governo colombiano tentará realizar na Venezuela uma reunião com o líder do Exército de Libertação Nacional (ELN), Nicolás Rodríguez, ou "Gabino", para assinar um acordo de base com a guerrilha a fim de negociar a paz. O ELN é a segunda maior guerrilha colombiana, com cerca de 5.000 combatentes.