October 29, 2008 / 10:09 PM / in 9 years

Cúpula Ibero-Americana se realiza à sombra da crise financeira

3 Min, DE LEITURA

Por Armando Tovar

SAN SALVADOR, 29 de outubro (Reuters) - Presidentes e chefes de Estado da América Latina, Espanha e Portugal inauguram na noite de quarta-feira uma cúpula marcada pela crise financeira global e pela ausência do venezuelano Hugo Chávez.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva aproveitará a reunião, que vai até sexta-feira, para defender a adoção de mecanismos de controle que evitem outras crises como a atual. Mas Lula só assistirá as sessões de quinta-feira, pois neste dia segue para Cuba, onde deve se reunir com o presidente Raúl Castro e, eventualmente, com o ex-dirigente Fidel Castro.

O porta-voz Marcelo Baumbach disse nesta semana que Lula falará sobre "a necessidade de adoção de mecanismos e controles que impeçam que ocorram novas crises e que evitem que a especulação financeira afete a economia real."

O grande ausente na 18a Cúpula Ibero-Americana será Chávez, que cancelou a participação há alguns dias, alegando riscos à sua segurança. Mas vários aliados dele estarão presentes, como Evo Morales (Bolívia), Rafael Correa (Equador) e Daniel Ortega (Nicarágua).

Habitual protagonista dessas reuniões, o primeiro-ministro espanhol, José Luis Rodríguez Zapatero, chegará a San Salvador no momento em que seu país insiste em ser convidado à cúpula internacional convocada pelos EUA para tratar da crise.

A reunião de Washington vai incluir os participantes do G20, um grupo que mistura países desenvolvidos com países emergentes. Embora haja nações pobres no grupo, como Paraguai e Guatemala, seus líderes são grandes países em desenvolvimento, como China, Brasil, Índia, México e África do Sul.

"Esquina Segura"

O presidente da Colômbia, Álvaro Uribe, assistirá à reunião enquanto promove seu país como "a esquina mais segura" da América do Sul, na esperança de seduzir investidores internacionais, embora o governo estude um plano preventivo para que os bancos aumentem suas reservas.

Também está confirmada a presença do presidente mexicano, Felipe Calderón, que anunciou diversas medidas para enfrentar os efeitos da desaceleração econômica dos EUA, seu principal sócio comercial. O México pretende garantir a liquidez dos mercados e fortalecer a moeda local.

"Esta cúpula ficará marcada pela crise", disse o cientista político mexicano Napoleón Campos, especialista em relações internacionais. "Os constrangimentos da crise exigirão uma série de compromissos dos países."

Reportagem adicional de Adriana Barrera em San Salvador e Julio Villaverde no Rio de Janeiro

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below