Discurso pró-imigrantes de McCain divide hispânicos nos EUA

terça-feira, 15 de julho de 2008 10:35 BRT
 

Por Tim Gaynor

NACO, Estados Unidos (Reuters) - O candidato republicano à Casa Branca, John McCain, fez na segunda-feira um dramático apelo pelo voto hispânico, lendo uma lista com centenas de nomes de imigrantes ilegais que morrem a cada ano tentando cruzar a fronteira entre México e EUA.

"María Hernández Pérez era a número 93. Tinha quase 2 anos. Tinha cabelo castanho espesso e olhos cor de chocolate", disse McCain em discurso à ONG latina Conselho Nacional de La Raza, em San Diego, na Califórnia.

"Kelia Velázquez-Gonzales, 16 anos, levava uma Bíblia na mochila. Era o número 109. Fulano de Tal, número 143, morreu com um rosário envolto no pescoço. Seus olhos estavam arregalados", relatou McCain.

O combate à imigração ilegal é um dos principais temas da campanha eleitoral deste ano nos EUA. Tanto McCain quanto o democrata Barack Obama buscam um discurso que agrade tanto ao eleitorado conservador, que exige fronteiras mais seguras, como aos hispânicos, que são a minoria que mais cresce no país e já compõem 9 por cento do eleitorado.

Depois do discurso de segunda-feira, os hispânicos do Arizona, região com forte tráfego de imigrantes ilegais, se dividiram a respeito de McCain.

"Se fossem cavalos morrendo todo dia na fronteira, (o governo) estaria fazendo algo a respeito", disse Lionel Urcadez, dono de um bar a poucos metros da enferrujada cerca fronteiriça em Naco. Ele gostou do discurso de McCain. "São seres humanos, estão tentando melhorar de vida. John McCain se interessa por eles, e para mim isso é que importa."

Já o vice-prefeito da cidade fronteiriça de Douglas, Bob Fernandez, expressou preocupações com as divisões que o tema da imigração gera entre os republicanos.

"Somos muito gratos aos sentimentos deles... Minha única preocupação é que, se eleito, ele estará cercado por pessoas de seu partido que não acreditam nisso", disse Fernandez, que simpatizou com os republicanos, mas atualmente está mais inclinado para os democratas.

Obama, que propõe uma reforma abrangente para liberalizar a imigração, lidera as pesquisas entre os hispânicos, em grande parte porque conseguiu herdar muitos eleitores que nas primárias haviam optado por Hillary Clinton.