Tensão cresce em Gaza após prisão e explosão em funeral

sexta-feira, 14 de dezembro de 2007 19:49 BRST
 

Por Nidal Al Mughrabi

GAZA (Reuters) - Militantes islâmicos do Hamas prenderam um assessor do governo de Mahmoud Abbas, e três membros da Fatah foram mortos em uma explosão na sexta-feira, agravando a tensão entre as facções palestinas rivais na Faixa de Gaza.

O Hamas disse que suas forças detiveram Omar Al Ghoul, assessor do primeiro-ministro Salam Fayyad, em sua casa. É a detenção mais importante desde que o Hamas assumiu o controle do território litorâneo, em junho, expulsando as forças da Fatah.

Abbas e o governo de Fayyad condenaram a prisão e acusaram o Hamas de provocar a explosão no cortejo fúnebre de três militantes mortos na véspera por um bombardeio israelense.

Fontes médicas disseram que pelo menos três seguidores da Fatah morreram e 35 ficaram feridos na explosão de sexta-feira. O Hamas disse que um dos participantes do funeral deixou uma granada cair no meio da multidão, e que esse suspeito teria sido detido.

O Hamas realiza no sábado grandes manifestações em Gaza para celebrar seus 20 anos. O grupo disse que manifestações semelhantes foram proibidas na Cisjordânia, onde a Fatah domina.

Sami Abu Zuhri, porta-voz do Hamas, acusou a facção rival de "envenenar a atmosfera" antes das manifestações de sábado e defendeu que as festividades do aniversário da Fatah, em 1o de janeiro, também sejam proibidas na Faixa de Gaza.

O comício de sábado vai ocorrer no mesmo local onde, no mês passado, sete seguidores da Fatah foram mortos numa cerimônia pelo quinto aniversário da morte de Yasser Arafat.

O líder local do Hamas, Ismail Haniyeh, determinou uma investigação, mas acusou a Fatah de tentar desestabilizar o governo do Hamas na Faixa de Gaza.