Obra do PAC em favela no Rio terá carro blindado, diz secretário

quarta-feira, 23 de janeiro de 2008 17:04 BRST
 

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A Secretaria de Segurança Pública do Rio de Janeiro quer usar veículos blindados das Forças Armadas para transportar e proteger os policiais que farão a segurança dos operários que vão participar de obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) em 3 favelas da cidade, informou o secretário de segurança, José Mariano Beltrame.

Segundo Beltrame, a polícia fluminense não tem veículos blindados suficientes para transportar os policiais estaduais e federais que vão participar da ocupação.

O secretário vai solicitar às Força Armadas blindados do tipo Urutu para auxiliar a ação nas comunidades contempladas por obras do PAC.

"Os Urutus serão usados para transportar os policiais naquelas áreas onde vamos estabelecer pontos fixos e não só para combater os traficantes", declarou Beltrame a jornalistas.

As obras de urbanização na Rocinha, Manguinhos e Complexo do Alemão estão previstas para começar em março e a polícia pretende ocupar as favelas.

O Governo do Estado está fazendo uma licitação para a compra de 8 veículos blindados para a polícia fluminense.

"Não podemos esperar que esses equipamentos venham do exterior para que o PAC seja iniciado aqui no Rio", acrescentou Beltrame.

Atualmente, o estado possui 11 veículo blindados a serviço da polícia civil e da polícia militar. Os mais conhecidos são os "caveirões" usados pelo Bope -- Batalhão de Operações Especiais- para incursões em favelas.

Os Governos Federal e do Estado estão montando um plano de segurança para as 3 favelas que serão ocupadas. O Governo Federal também estuda a possibilidade de pagar um complemento salarial aos policiais que atuarem nas operações na Rocinha, Manguinhos e Alemão. A utilização de homens da Força Nacional de Segurança também está sendo analisada.

"A Polícia Militar, a Polícia Civil e a Secretaria de Segurança Pública estão prontas, somente esperando que o governo federal anuncie a data do início das obras", afirmou Beltrame.

(Reportagem de Rodrigo Viga Gaier; Edição de Mair Pena Neto)