23 de Maio de 2008 / às 15:51 / em 9 anos

Medo e inveja marcam atitude européia diante do Google

Por Georgina Prodhan

PARIS (Reuters) - Executivos dos setores de tecnologia, mídia e telecomunicações da Europa temem que o gigante das buscas e publicidade em Internet Google lhes roube negócios, disseram eles em uma conferência promovida pela Reuters esta semana.

Diversos executivos mencionaram a empresa do Vale do Silício como um de seus mais temidos rivais -- mesmo que não soubessem exatamente como o Google poderia se tornar seu concorrente -- e como uma empresa com a qual deveriam tentar formar parcerias, em seu próprio benefício.

“O Google me preocupa porque há muito que eu não sei”, disse Eric Simonsen, vice-presidente de finanças da Nokia Siemens Networks [NSN.UL], empresa que fornece infra-estrutura de telecomunicações, durante a Reuters Technology, Media and Telecoms Summit, em Paris.

“Nossa visão, com o mundo conectando primordialmente via Internet algo como cinco bilhões de pessoas, e tendo em vista os recursos de que o Google dispõe, é de que imaginar que eles não estarão no meu mercado seria estupidez de minha parte”, afirmou.

“Não sei como, não sei quando, mas devo pensar sobre esse tipo de coisa”, acrescentou o executivo.

O Google vem estendendo sua atuação, das áreas básicas em que sempre operou a setores como o software para celulares, cabos submarinos de comunicações e software médico, gerando uma onda de ansiedade que surgiu nos Estados Unidos e continua a crescer na Europa.

Nos Estados Unidos, empresas tão distintas quanto o grupo de varejo Wal-Mart, a fornecedora de commodities agrícolas Cargill [CARG.UL] e bancos de Wall Street vêm estudando a maneira pela qual o Google pode vir a desafiá-los, em longo prazo.

Preocupações aparentemente exageradas, como estas, têm por base o controle do Google sobre as atividades de busca na Internet, o ponto de partida das buscas de informações pelos consumidores. A fatia de mercado do Google nos serviços mundiais de buscas é de mais de 70 por cento.

Como resultado, a empresa atraiu a atenção das autoridades regulatórias da competição na Europa e nos EUA, no ano passado, depois de queixas da Microsoft e das grandes operadoras de telecomunicações.

Martin Sorrell, principal executivo do grupo de propaganda WPP, costuma chamar o Google de “frenemy”, uma brincadeira com as palavras amigo e inimigo, em inglês, embora ele gaste algo como 850 milhões de dólares por ano em anúncios no Google para seus clientes -- quase 4 por cento da receita total projetada para o Google este ano, de 21 bilhões de dólares.

Ele afirmou, durante o Reuters Summit: “a Google é uma companhia fenomenal, assim como a Microsoft e a Yahoo, francamente. E nós tentamos cada vez mais encontrar formas de trabalhar com eles”.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below