Junta de Mianmar realizará eleições em 2010

sábado, 9 de fevereiro de 2008 18:01 BRST
 

Por Aung Hla Tun

YANGON (Reuters) - O regime militar de Mianmar anunciou no sábado que realizará um referendo sobre uma nova Constituição em maio, seguida por eleições em 2010, em um plano criticado como um modo de reduzir a pressão, depois da repressão contra manifestantes no ano passado.

"Conquistamos o sucesso nos setores econômico, social e na restauração da paz e da estabilidade", anunciou a junta na televisão estatal, quatro meses depois que o Exército reprimiu protestos pacíficos pró-democracia liderados por monges budistas, matando pelo menos 31 pessoas.

"Então, eleições multipartidárias e democráticas serão realizadas em 2010", dizia o comunicado divulgado em nome do secretário número um tenente-general Tin Aung Myint Oo, alto membro da junta militar.

As eleições serão as primeiras na antiga Birmânia desde 1990, quando a Liga Nacional pela Democracia (LND) venceu as eleições multipartidárias canceladas depois pelos militares.

A LND, que boicotou a Assembléia Constituinte, uma vez que Suu Kyi, líder do partido e ganhadora do prêmio Nobel da Paz, continua em prisão domiciliar, disse que o anúncio é "aleatório".

"Marcaram a data das eleições antes de conhecer os resultados do referendo. Não consigo deixar de pensar como o referendo será conduzido", disse Nyan Win, porta-voz da LND.

O Burma Campaign UK (campanha da Birmânia, Reino Unido), um grupo de Londres defensor da democracia, considerou o comunicado "um truque de relações públicas".

"Não é coincidência que o anúncio tenha sido feito no momento em que o regime está enfrentando sanções econômicas cada vez maiores, depois da repressão brutal contra as manifestações pró-democracia", disse o diretor do grupo, Mark Farmaner, em nota.   Continuação...