Presidente da França oferece ajuda nuclear para Arábia Saudita

segunda-feira, 14 de janeiro de 2008 11:16 BRST
 

Por Emmanuel Jarry

RIAD (Reuters) - O presidente da França, Nicolas Sarkozy, no começo de uma visita ao Oriente Médio na qual espera garantir bilhões de dólares em contratos comerciais para empresas francesas, ofereceu ajuda para que a Arábia Saudita desenvolva um programa pacífico de energia nuclear.

Depois do território saudita, onde se reuniu com o rei Abdullah, Sarkozy parte rumo ao Catar e então aos Emirados Árabes Unidos, país no qual deve assinar um acordo de cooperação atômica, na terça-feira.

"A respeito da transferência de tecnologia, o presidente levantou a questão da energia nuclear civil (na conversa com o rei Abdullah)", disse um integrante da delegação francesa.

Segundo Sarkozy, uma equipe de especialistas da área estava pronta para visitar a Arábia Saudita nas próximas semanas a fim de "estudar as possibilidades".

O dirigente francês, que já assinou acordos de cooperação nuclear com a Argélia e a Líbia, nações árabes e produtoras de petróleo, não esconde sua opinião de que todos os países têm o direito de dominar a tecnologia atômica.

"Sempre disse que o mundo muçulmano não tem menos direitos do que o restante do mundo quando se trata de usar a energia nuclear para fins civis com o objetivo de atender a suas necessidades, tudo em conformidade com as obrigações previstas nas leis internacionais", disse Sarkozy ao jornal árabe al-Hayat, publicado em Londres.

A empresa francesa Total confirmou na segunda-feira que desenvolveria dois reatores de terceira geração nos Emirados Árabes Unidos em parceria com a Suez e com a fabricante estatal de reatores atômicos Areva.

O Conselho de Cooperação do Golfo -- uma aliança econômica e política pouco coesa que reúne seis países árabes do golfo Pérsico, entre os quais os Emirados -- disse no ano passado que estudava a possibilidade de adotar um programa conjunto de energia nuclear e entrou em contato com a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) para se informar do assunto.

A Arábia Saudita, maior exportador de petróleo do mundo, beneficia-se atualmente dos preços recorde do combustível, que chegaram a cerca de 100 dólares o barril. Muitos líderes mundiais visitaram a Arábia Saudita nos últimos dois anos em busca de garantir para as empresas de seus países uma parte desses lucros.

 
<p>O presidente franc&ecirc;s Nicolas Sarkozy (esq) chega com o pr&iacute;ncipe saudita Sultan Bin Abdulaziz Al-Saud (dir) ao pal&aacute;cio real em Riyadh. Sarkozy, em uma visita ao Oriente M&eacute;dio, ofereceu ajuda para que a Ar&aacute;bia Saudita desenvolva um programa pac&iacute;fico de energia nuclear. Photo by Pool</p>