Al Gore e comitê da ONU ganham Nobel da Paz

sexta-feira, 12 de outubro de 2007 13:59 BRT
 

Por John Acher e Wojciech Moskwa

OSLO (Reuters) - Al Gore, ex-vice-presidente dos Estados Unidos, e o comitê climático da Organização das Nações Unidas (ONU) ganharam o Prêmio Nobel da Paz pelos esforços para incentivar uma ação mundial contra o aquecimento da Terra antes de o problema "sair do controle da humanidade".

A premiação parece ser uma crítica ao presidente norte-americano, George W. Bush, que duvidou dos dados científicos sobre o aquecimento global e rejeitou os limites às emissões dos gases responsabilizados pelo fenômeno. Mas a Casa Branca afirmou estar feliz com a escolha dos vencedores, cujo trabalho elogiou.

Al Gore, derrotado por uma pequena margem de votos na eleição presidencial de 2000, e o Comitê Intergovernamental de Mudança Climática (IPCC) foram os escolhidos para dividir o prêmio equivalente a 1,5 milhão de dólares.

De um total quase recorde de 181 candidatos, o comitê do Nobel optou pelos dois devido aos esforços para chamar atenção para o impacto das atividades humanas sobre o clima.

"É necessário agir agora, antes que as mudanças climáticas saiam do controle da humanidade", afirmou a entidade, advertindo que as mudanças climáticas --capazes de provocar secas, enchentes e a elevação do nível dos oceanos-- poderiam ameaçar as condições de vida no mundo todo, gerar migrações em massa e tornar as guerras mais prováveis.

"Desejamos colocar o clima mundial na agenda de forma relacionada com a paz", disse o presidente do comitê, Ole Danbolt Mjoes.

Desde que deixou o cargo de vice-presidente em 2001, Gore realizou várias palestras sobre a ameaça do aquecimento global e, no ano passado, lançou seu próprio documentário, "Uma Verdade Inconveniente", a fim de alertar sobre os perigos do fenômeno e defender a adoção de medidas para enfrentá-lo. O documentário foi vencedor de um Oscar.

"Ele (Gore) é provavelmente a pessoa que mais fez para criar uma maior compreensão mundial sobre as medidas que precisam ser tomadas", acrescentou o comitê do Nobel.   Continuação...