Autoridades eleitorais descartam por ora tropas federais no Rio

segunda-feira, 11 de agosto de 2008 18:11 BRT
 

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O envio de tropas federais ao Rio de Janeiro para acompanhar as eleições municipais está descartado no momento, mas o TRE do Estado pretende mais rigor e rapidez nas investigações sobre candidatos beneficiados por currais eleitorais.

"O Rio de Janeiro está em boas mãos... Volto para Brasília reconfortado com o empenho das autoridades de segurança do Estado", disse o presidente do TSE, Carlos Aires Britto, em entrevista a jornalistas, após reunião na segunda-feira com o ministro da Justiça, Tarso Genro, e o presidente do TRE-RJ, desembargador Roberto Wider.

O envio de tropas federais ao Rio foi cogitado pela intimidação a candidatos em atividades de campanha e a denúncias de formação de currais eleitorais pelo tráfico e por milícias que atuam em comunidades carentes da cidade.

Britto salientou que o envio de tropas federais não está totalmente descartado e que vai depender "da evolução das eleições no Rio."

Tarso Genro considera desnecessária a presença de tropas federais, mas também não descartou completamente a hipótese.

"Todas as possibilidades estão em aberto. Temos que ver como a situação vai evoluir. Não está nada definido, mas não está descartado", avaliou Genro.

O ministro da Justiça afirmou que o TRE vai fazer uma campanha contra a formação de currais eleitorais.

O desembargador Roberto Wider disse que o modelo de combate aos currais eleitorais ainda não foi definido pelo TRE.

"Podem ser peças publicitárias ou campanhas na mídia. Nosso objetivo é reforçar o sigilo sobre o voto e a sua inviolabilidade", declarou o presidente do TRE-RJ.   Continuação...