Colômbia autoriza plano de Chávez para receber reféns das Farc

quarta-feira, 26 de dezembro de 2007 21:48 BRST
 

Por Fabián Andrés Cambero e Luis Jaime Acosta

CARACAS/BOGOTÁ (Reuters) - A Colômbia autorizou na quarta-feira um plano humanitário do presidente da Venezuela, Hugo Chávez, para receber três reféns da guerrilha Farc, inclusive um menino nascido em cativeiro.

As Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) anunciaram há uma semana a intenção de libertar unilateralmente a ex-deputada Consuelo González, a ex-candidata a vice-presidente Clara Rojas e o filho dela, Emmanuel, nascido em cativeiro de uma relação com um guerrilheiro.

"O governo da Colômbia autoriza a missão humanitária nos termos da sua carta e delega como seu representante o doutor Luis Carlos Restrepo", anunciou o chanceler Fernando Araújo em carta dirigida a seu homólogo venezuelano, Nicolás Maduro.

Se concretizada, essa será a mais importante liberação unilateral de reféns da guerrilha na história da guerra civil iniciada há mais de 40 anos.

Antes da resposta de Bogotá, Chávez disse em entrevista coletiva em Caracas, apontando um mapa, que o plano é minucioso e será comandado por seu ex-ministro de Interior Ramón Rodríguez Chacín.

"Estamos prontos para ativar a operação, e tomara que nas próximas horas se consiga a libertação de Clara, Consuelo e do menino Emmanuel", afirmou.

O plano anunciado por Chávez envolverá representantes de Argentina, Bolívia, Brasil, Cuba, Equador e França, que viajariam numa caravana de aviões e helicópteros da Venezuela até a cidade colombiana de Villavicencio, e de lá, em helicópteros com emblema da Cruz Vermelha Internacional, até um local não revelado da selva, onde recolheriam os reféns e os levariam a Villavicencio ou diretamente à Venezuela.

O assessor especial da Presidência para Assuntos Internacionais, Marco Aurélio Garcia, será o representante do Brasil. Ele deve embarcar na quinta-feira de manhã para Caracas. Da Argentina, irá o ex-presidente Néstor Kirchner.   Continuação...