Paes evita falar de cargos para 12 partidos aliados no Rio

quarta-feira, 15 de outubro de 2008 20:02 BRT
 

RIO DE JANEIRO, 15 de outubro (Reuters) - Apoiado por 12 partidos políticos no Rio de Janeiro, o candidato Eduardo Paes (PMDB) afirmou nesta quarta-feira não ser o momento para comentar uma possível distribuição de cargos para os aliados, caso seja eleito prefeito.

"Eu não trataria disso agora, neste momento. Eu acho que nós temos claro é que, neste segundo turno, as forças políticas precisam estar posicionadas. Eu fiz questão de fazer os apoios de maneira transparente e a população conhece os apoios que tenho", disse Paes em entrevista ao RJ-TV.

O candidato garantiu ainda que "não houve, nem haverá" pedidos de cargos pelos aliados: "O critério da escolha dos meus candidatos será o da competência."

Seu maior cabo eleitoral na cidade, o governador Sérgio Cabral, teve o início do mandato marcado pela formação de um secretariado "ecumênico", em que vários partidos compartilharam cargos no governo recém-eleito. Na época candidato do PSDB derrotado por Cabral, Paes ganhou a Secretaria de Turismo, Esporte e Lazer.

VÍTIMA

No mesmo dia em que seis mil panfletos apócrifos contra o candidato Fernando Gabeira (PV) foram apreendidos pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE) em veículo que transportava também material de campanha de Paes, o peemedebista disse se sentir também "vítima" de propaganda negativa contra sua candidatura.

"Eu fui vítima, mais do que ninguém, em relação às vans. Disseram que eu ia varrer as vans do mapa. Mas nós vamos regulamentá-las", defendeu Paes. "Eu fui o tempo todo agredido dessa maneira. E continuo sendo. O que tem de panfleto apócrifo ainda por aí. Na internet, o que dizem a meu respeito é só mentira e absurdo."

No início da entrevista, o peemedebista frisou ter encontrado o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, na última sexta-feira, para discutir parcerias para a cidade. O candidato continua apostando no discurso da integração entre os governos municipal, estadual e federal como diferencial de sua candidatura em relação ao nome de Gabeira.

(Reportagem de Carla Marques, Edição de Mair Pena Neto)