ANÁLISE-Biden soma experiência e sinaliza táticas mais rígidas

sábado, 23 de agosto de 2008 17:18 BRT
 

Por John Whitesides

DENVER (Reuters) - O democrata Barack Obama escolheu a experiência e a maturidade no lugar de um rosto novo ao apontar Joseph Biden como seu vice de chapa neste sábado, esperando ampliar seu apelo com uma escolha pragmática que dê arrimo às suas principais fraquezas.

Biden reforça o campo de política externa e traz o currículo de um veterano de Washington para a chapa democrática liderada por Obama, de 47 anos, senador por Illinois em seu primeiro mandato acossado por questionamentos sobre seu preparo para ser comandante-em-chefe dos EUA.

Biden, de 65 anos, presidente do Comitê de Relações Exteriores do Senado e um dos pesos-pesados do partido em política externa, pode ajudar a responder às críticas do rival republicano John McCain de que Obama é muito inexperiente para que o Salão Oval (escritório do presidente) lhe seja confiado.

Em seu sexto mandato, o verborrágico senador de Delaware também possui a disposição para se engajar no embate político que alguns democratas temem faltar a Obama. A escolha acontece no momento em que a campanha de Obama volta seus ataques a McCain e as pesquisas mostram uma corrida apertada à eleição de 4 de novembro.

"Obama reconheceu o lapso em segurança nacional e a necessidade de bater mais forte em McCain, e escolheu o sujeito que pode mais rapidamente ajudá-lo nas duas coisas", disse o conselheiro democrata Doug Schoen, um ex-pesquisador de opiniões que trabalhou para o ex-presidente Bill Clinton.

Obama, que obteve a indicação com uma plataforma de mudança em Washington e um novo enfoque de governo, preteriu jovens desconhecidos como o governador da Virgínia Tim Kaine ou a governadora do Kansas Kathleen Sebelius e nomes mais moderados como o senador de Indiana Evan Bayh.

A escolha de Kaine ou Sebelius teria levado à crítica de que a chapa democrata seria inexperiente demais em política externa e segurança nacional. Bayh havia atiçado a oposição de grupos liberais descontentes com seu histórico de moderação apartidária e seu apoio de primeira hora à guerra do Iraque.

Obama também preteriu sua rival nas primárias, a senadora de Nova York Hillary Clinton, cuja escolha teria unido o partido mas abriria caminho para mais tensões e dramas do que Obama aparentemente poderia suportar.   Continuação...