Claro "torce" para que acionista queira comprar Amazônia Celular

terça-feira, 2 de outubro de 2007 19:25 BRT
 

Por Alberto Alerigi Jr.

FLORIANÓPOLIS (Reuters) - A Claro, terceira maior operadora móvel do país, "torce" para que seus acionistas queriam comprar a Amazônia Celular, que foi adquirida em agosto pela rival Vivo.

"Torço para que os acionistas queiram comprar, mas isso compete a eles decidir", disse o presidente da Claro, João Cox, durante a feira de telecomunicações Futurecom.

A Claro não tem operação nos Estados da Amazônia Celular (Amazonas, Pará, Amapá, Roraima e Maranhão), que possui cerca de 1,5 milhão de clientes. A Vivo acabou comprando a Amazônia Celular à reboque da aquisição da Telemig Celular, que opera em Minas Gerais.

Como as regras da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) determinam que uma empresa não pode ficar com mais de uma licença para operar numa mesma região, a Vivo teria que devolver uma de suas autorizações.

A Claro é controlada pela mexicana América Móvil e durante o processo de venda do grupo Telemig/Amazônia Celular era tida como interessada na operação.