Seguidores de Hillary ameaçam ofuscar show de Obama

segunda-feira, 25 de agosto de 2008 20:14 BRT
 

Por Steve Holland

DENVER (Reuters) - A ex-pré-candidata democrata a presidente Hillary Clinton tenta na segunda-feira impedir seus seguidores de protagonizarem um racha partidário que ofuscaria a consagração do candidato Barack Obama, agora apoiado por ela.

O presidente do partido, Howard Dean, abriu a convenção de quatro dias em Denver dizendo ver "nesta diversa assembléia de democratas um testemunho da força e unidade do nosso partido e da fruição da nossa estratégia de [levar a disputa interna a todos os] 50 Estados".

A pauta do primeiro dia está toda voltada para a história pessoal de Obama. Sua esposa, Michelle, deve discursar à noite.

Filho de um negro do Quênia com uma branca do Kansas, Obama, de 47 anos, cresceu no Havaí e na Indonésia, lutou para chegar à faculdade e começou a carreira política como militante em organizações populares de Chicago.

Os democratas esperam que um tributo ao senador Edward Kennedy, um ícone do partido que luta contra um câncer cerebral, gere entusiasmo entre os participantes. Um assessor de Kennedy disse que ele estará presente, mas não vai discursar.

No entanto, num evento que deveria servir para unir, ainda pesam os ressentimentos por parte de seguidores de Hillary -- não só pela derrota nas primárias, mas por ela ter sido preterida na indicação a vice. Obama escolheu o veterano senador Joe Biden, que chegou na segunda-feira à convenção.

Falando antes do início da convenção a delegados de Nova York, o seu Estado, Hillary pediu unidade partidária. "Somos afinal todos democratas, então pode demorar um pouco. Não somos um partido que exige todos na linha. Somos diversos. Mas não se enganem, somos unificados", disse ela.

Há relatos de que o marido dela, o ex-presidente Bill Clinton, estaria chateado por ter sido convidado a falar de política externa na noite de quarta-feira, em vez de discursar sobre economia.   Continuação...