Relação Petrobras-Irã faz governador da Flórida cancelar reunião

quinta-feira, 8 de novembro de 2007 19:27 BRST
 

SÃO PAULO (Reuters) - O governador da Flórida, Charlie Crist, que está em missão comercial no Brasil, cancelou nesta quinta-feira uma reunião com executivos da Petrobras devido aos contatos empresariais da estatal brasileira com o Irã.

Em nota divulgada no site do governo da Flórida, Crist diz que o Irã tem um regime terrorista. Para ele, qualquer forma de apoio à República Islâmica é uma ameaça aos Estados Unidos e a aliados como Israel.

"Continuaremos seguindo o caminho moral e prudente, não fazendo negócios com companhias que patrocinam o terror e dando um exemplo para todos os outros Estados e nações", disse ele.

A Flórida aprovou em junho uma lei que exige que o fundo de pensões do Estado suspenda seus investimentos em empresas que fazem negócios com o Irã e o Sudão. O governo local propôs que outros Estados norte-americanos façam o mesmo.

As empresas afetadas pela lei receberam prazo até setembro de 2008 para encerrar seus negócios com Irã e Sudão.

George LeMieux, chefe de gabinete de Crist, reuniu-se no Rio de Janeiro com o gerente-executivo da Petrobras, Samir Passos Awad, para explicar a posição da Flórida.

A Petrobras mantém algumas atividades de prospecção no Irã.

Executivos da estatal anunciaram horas antes que a empresa descobriu uma gigantesca reserva de petróleo, com até 8 bilhões de barris, o que fez o valor de suas ações dispararem.

Um porta-voz disse que o presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli, não tinha reuniões previstas com Crist.   Continuação...