Brasil quer toda a América do Sul em novo banco, diz Mantega

sexta-feira, 19 de outubro de 2007 21:25 BRST
 

WASHINGTON (Reuters) - O Brasil tentará atrair todos os países da América do Sul para o recém-criado Banco do Sul, pensado como alternativa a organismos multilaterais como FMI e Banco Mundial, disse na sexta-feira o ministro da Fazenda, Guido Mantega.

O banco foi idéia do presidente da Venezuela, Hugo Chávez, para quem outros organismos multilaterais são vinculados demais aos interesses dos Estados Unidos, seu adversário ideológico.

O Banco do Sul já inclui Venezuela, Bolívia, Equador, Uruguai, Paraguai, Brasil e Argentina, e na semana passada a Colômbia afirmou que gostaria de aderir.

No começo de outubro, ministros de Economia desses sete países concluíram no Rio a redação da ata de fundação do banco, mas ainda não chegaram a um acordo sobre o capital inicial da instituição e a forma de aporte de seus membros.

"Eu precisamente convidarei aqueles que não estavam presentes, o Chile, o Peru. Eu acho que os 12 países sul-americanos deveriam fazer parte do Conselho de Gestão do Banco do Sul", disse Mantega a jornalistas durante reunião na sede do Fundo Monetário Internacional (FMI), em Washington.

O estatuto do banco pode ser concluído nos próximos dois ou três meses, e a Venezuela espera que a ata proposta no Rio seja firmada em 3 de novembro em Caracas.

Mantega confirmou que em novembro os futuros sócios assinarão a ata de fundação, mas disse que alguns detalhes ficarão pendentes até que o banco entre efetivamente em funcionamento.

"Até agora nós só definimos os conceitos gerais: qual é a finalidade, como ele vai funcionar. mas agora nós precisamos definir isso no estatuto --as regras de como ele vai ser dirigido, como vai emprestar, como será feita a análise dos recursos, o capital inicial de cada país", acrescentou.

Um evento sobre o novo banco, com a participação do ministro de Finanças da Venezuela, Rodrigo Cabezas, deve ocorrer na próxima terça-feira em Washington.

Os chamados encontros de outono do FMI, dos quais Mantega participa atualmente na capital norte-americana, continuam até a próxima segunda-feira.