Nortel oscila apesar de cortes e reformulação de produtos

quarta-feira, 12 de março de 2008 15:53 BRT
 

Por Wojtek Dabrowski

TORONTO (Reuters) - Milhares de empregos cortados e uma completa reformulação de sua estratégia e linha de produtos não conseguiram restituir à canadense Nortel Networks sua posição de glória. A empresa continua a enfrentar queda no preço de suas ações em um ambiente de desaceleração da economia.

A Nortel, maior fabricante de equipamentos de telecomunicação da América do Norte, apostou tudo em uma ampla gama de tecnologias, tanto existentes quanto novas: produtos que ajudarão as empresas de telecomunicações a atender ao crescimento explosivo do uso de vídeos e videogames na Internet, e ao boom no uso de celulares dotados de recursos de vídeo.

A empresa reformulou suas prioridades de pesquisa e desenvolvimento, abandonando produtos mais antigos.

Mas estima que pode levar anos até que algumas das mais recentes tecnologias encontrem grandes mercados. Enquanto isso, suas vendas parecem lentas, e a empresa prevê crescimento de receita de apenas um dígito em 2008.

As ações do grupo caíram para 6,45 dólares canadenses na bolsa de Toronto nesta semana. Se o valor for ajustado para levar em conta a consolidação de ações conduzida em 2006, é a cotação mais baixa desde 1981.

"Acredito que eles claramente não conseguiram realizar sua missão tão bem quanto esperavam, quanto a diversas dessas questões", disse Peter Misek, analista da Cannacord Adams. "Precisam voltar a ser uma empresa de crescimento."

E não é que a Nortel não esteja tentando. No passado, uma das queridinhas dos investidores, com ações avaliadas na casa das centenas de dólares antes do estouro da bolha da tecnologia no começo desta década, a empresa posteriormente se tornou um exemplo de colapso, com milhares de demissões (processo que ainda continua) e bilhões de dólares em prejuízos, além de vendas fracas e de um escândalo em sua contabilidade.

Em 2005, Mike Zafirovski foi contratado como presidente-executivo para tentar reverter a situação. Mas os executivos da empresa mesmos reconhecem que, ainda que as margens de lucro tenham melhorado, resta muito a fazer.