Paquistão põe líder da oposição em prisão domiciliar

segunda-feira, 12 de novembro de 2007 22:30 BRST
 

Por Kamran Haider e Sophie Walker

LAHORE/LONDRES (Reuters) - A polícia paquistanesa colocou a líder oposicionista Benazir Bhutto sob prisão domiciliar durante uma semana a partir da madrugada de terça-feira (noite de segunda no Brasil), enquanto a Commonwealth (comunidade britânica de nações) ameaçou suspender o país caso o presidente Pervez Musharraf não revogue o estado de emergência.

Bhutto, que já foi duas vezes primeira-ministra, pretendia liderar uma "longa marcha" motorizada de 270 quilômetros entre Lahore e a capital, Islamabad, para exigir que o general Musharraf deixe o comando do Exército, revogue o estado de emergência, acate a Constituição e liberte ativistas detidos --vários dos quais de seu partido.

Na segunda-feira, ela pediu aos paquistaneses de todas as tendências que se juntem à carreata a partir da manhã de terça-feira, e disse que o protesto deveria ser mantido mesmo que a polícia a impedisse de participar.

Mas as autoridades anunciaram que a marcha estava proibida, e centenas de policiais montaram barricadas em torno da casa de um dirigente partidário onde ela está hospedada em Lahore.

O chefe da polícia local, Aftab Cheema, disse posteriormente à Reuters em frente à casa que Bhutto que recebeu a notificação de que passará uma semana detida.

Fazana Raja, porta-voz do partido de Bhutto, disse que a manifestação seria mantida. "Definitivamente ela vai tentar vir. Vamos começar nossa procissão daqui, e se tentarem nos impedir toda (a província do) Punjab será um campo de batalha", afirmou.

A polícia diz que Bhutto poderia ser alvo de um novo atentado suicida, como o que matou 139 pessoas no mês passado, quando ela era recebida de volta após oito anos de auto-exílio.

Na semana passada, a polícia a impediu de sair de sua casa, em Islamabad, para participar de um comício na vizinha Rawalpindi.   Continuação...