Obama e Hillary disputam voto de militares dos EUA

sexta-feira, 2 de maio de 2008 15:41 BRT
 

Por Andrew Gray

FAYETTEVILLE, EUA (Reuters) - Com promessas de um aparato militar mais forte e mais benefícios para os veteranos, os pré-candidatos democratas à Presidência dos EUA, Hillary Clinton e Barack Obama, passaram a disputar o apoio de uma cidade dominada pela 82a Divisão Aerotransportada.

Com sua imensa base em Fort Bragg, a cidade de Fayetteville, na Carolina do Norte -- cidade cujo mote é "História, Heróis e um Sentimento de Estar em Casa" --, volta-se na próxima semana para as prévias democratas que ocorrem naquele Estado.

Mas Obama e Hillary, disputando palmo a palmo a vaga do partido nas eleições presidenciais de novembro, também esperam conquistar espaço entre os militares do restante do país, tradicionalmente um eleitorado mais propenso a votar nos republicanos.

Além da impopularidade da guerra no Iraque, analistas afirmam que pode ser difícil bater nesse quesito o candidato republicano, senador John McCain, um ex-piloto da Marinha e ex-prisioneiro de guerra no Vietnã.

Os democratas apostam em reiterados eventos de campanha a fim de conquistar o voto de alguns membros das Forças Armadas e suas famílias. Obama e Hillary são defensores da retirada das forças norte-americanas do Iraque.

"Eles estão cansados da presença militar lá. Agora chegou a hora de voltar", disse Rebecca Rebrook, coordenadora voluntária da representação em Fayetteville de Hillary, onde um cartaz feito a mão afirmava, a respeito da pré-candidata: "Você é a minha comandante-em-chefe."

Rebrook, cujo marido serviu no Exército durante 20 anos, disse que Hillary beneficia-se do apoio de ex-membros importantes das Forças Armadas, como o general aposentado do Exército Hugh Shelton, nascido na Carolina do Norte e ex-chefe do Estado-Maior das Forças Armadas.

"Esse é um ponto muito positivo para ela", afirmou Rebrook.   Continuação...