Putin alerta para intromissão estrangeira em eleição russa

quarta-feira, 30 de janeiro de 2008 17:48 BRST
 

Por Oleg Shchedrov

MOSCOU (Reuters) - O presidente Vladimir Putin recomendou na quarta-feira aos serviços de segurança russos que fiquem atentos contra tentativas de interferência externa na eleição presidencial de março, na qual o candidato governista é o franco favorito.

A alusão a intrigas internacionais, sem citar nomes de países, é parte de um crescente clima nacionalista que pode ajudar o candidato do Kremlin, Dmitry Medvedev. Críticos vêem, porém, uma ameaça autoritária sobre o pleito de 2 de março.

Uma importante entidade européia de monitoramento eleitoral anunciou que vai desistir de acompanhar as eleições russas se as restrições em vigor forem mantidas. Putin, decidido a manter sua influência ao final de seu mandato, não esconde sua irritação com os observadores estrangeiros.

"Vocês devem ampliar seus esforços para receber na hora informações sobre quaisquer tentativas de interferir em nossos assuntos domésticos", disse Putin a diretores do Serviço Federal de Segurança (FSB), segundo agências locais de notícias.

"Este país é um Estado soberano, e não permitiremos que ninguém manipule a campanha eleitoral a partir do exterior."

Putin qualifica seus adversários liberais como fantoches do Ocidente, e por sua vez é acusado por eles de recriar um regime autoritário. Depois de oito anos no cargo, ele não pode tentar um terceiro mandato.

Ajudado pelo preço elevado do petróleo, o presidente deixa um país economicamente mais forte e estável do que a Rússia pós-soviética que recebeu. Segundo Putin, essa ressurreição russa é motivo de inveja e descontentamento para o Ocidente.

As pesquisas indicam que o vice-premiê Medvedev, um advogado de 42 anos, deve obter uma ampla vitória eleitoral. Seus adversários se queixam da dificuldade de acesso aos meios de comunicação. Medvedev se recusou a participar de qualquer debate pela TV.

(Reportagem adicional de Mark John em Bruxelas)