Secretário de Defesa dos EUA pede ajuda da China contra o Irã

terça-feira, 6 de novembro de 2007 08:43 BRST
 

PEQUIM, 6 de novembro (Reuters) - O secretário norte-americano de Defesa, Robert Gates, pediu ajuda da China para conter o programa nuclear iraniano, argumentando que a estabilidade do golfo Pérsico interessa à segurança energética de Pequim.

Gates disse ter mencionado a questão do Irã em suas reuniões de segunda-feira com funcionários dos ministérios chineses de Defesa e Relações Exteriores, mas não com o presidente Hu Jintao na terça-feira, quando a conversa girou em torno de relações militares.

"Um Irã que seja uma força desestabilizadora na região não é do interesse de ninguém, inclusive da China", disse Gates a jornalistas ao visitar a Cidade Proibida.

"Se alguém está interessado em segurança energética de longo prazo, então a estabilidade da área do golfo Pérsico, do Oriente Médio, é uma altíssima prioridade."

Estados Unidos e China detêm poder de veto no Conselho de Segurança. Enquanto Washington defende a adoção de novas sanções contra Teerã na ONU, Pequim, que compra dos iranianos 12 por cento do petróleo que consome, prefere a solução da crise por meio do diálogo.

A chancelaria chinesa disse que EUA e China têm objetivos comuns a respeito do Irã. "Ambos acreditamos que o Irã não deveria ter armas nucleares, e ambos acreditamos em salvaguardar o Tratado de Não-Proliferação", disse o porta-voz Liu Jianchao numa entrevista coletiva.

Mas acrescentou: "A China acredita que nós devemos enfatizar o diálogo e a negociação entre as partes relevantes".

Teerã diz que seu programa nuclear é para gerar energia. A República Islâmica tem se negado em interromper seu enriquecimento de urânio mesmo após duas sanções da ONU. Washington acredita que o Irã esteja tentando produzir uma bomba atômica.

(Por Andrew Gray)