Novo ataque suicida deixa 10 mortos no Iraque

quarta-feira, 2 de janeiro de 2008 19:07 BRST
 

BAQUBA, Iraque (Reuters) - Um suicida matou 10 pessoas nesta quarta-feira no Iraque, informaram autoridades. Esse é o último de uma nova onda de ataques suicidas no país, quase um grande atentado por dia em uma semana.

O chefe de Operações de Segurança da volátil província de Diyala, general do Exército Abdul Karim al-Rubaye, disse que o agressor acionou um colete com explosivos num posto de controle na capital da província, Baquba, situada ao norte de Bagdá.

Os militares dos Estados Unidos disseram que o suicida se jogou contra a capota de um carro dirigido por um membro da patrulha de voluntários do bairro, matando o motorista e três outras pessoas. As autoridades iraquianas afirmaram que o agressor era uma mulher, mas os militares dos EUA disseram que era um homem.

O atentado ocorreu um dia depois de um outro militante ter detonado seu colete de explosivos em uma tenda lotada de pessoas que participavam de um funeral em Bagdá. A polícia elevou para 34 o número de mortos nesse ataque, o que o torna o pior na capital nos últimos seis meses.

As forças dos EUA disseram que os ataques mostram que os militantes da Al Qaeda ainda podem realizar ações que matam grande número de pessoas, apesar da redução da violência em todo o país.

"Temos dito o tempo todo. Eles ainda têm capacidade de realizar esses ataques horrendos, ataques bárbaros que têm como alvo civis inocentes, em seu esforço para tentar provocar tensões sectárias", disse o porta-voz militar general Kevin Bergner.

A bomba desta quarta-feira explodiu perto de lojas e barracas lotadas. Um fotógrafo da Reuters disse ter visto no local piscinas de sangue, cabelo queimado e pedaços de corpos. Ele contou cinco mortos e 16 feridos num hospital. A polícia lhe disse que outras vítimas, incluindo 28 feridos, haviam sido levados para outro local.

"Eu tinha acabado de deixar o trabalho e a explosão aconteceu. Não sei o que ou como ocorreu. A explosão foi muito forte", afirmou de sua cama num hospital a vítima Amal Akram, empregado de uma clínica de saúde, em declaração à Reuters TV.

Os militantes da Al Qaeda foram expulsos de vastas áreas do território iraquiano e os níveis de violência caíram sensivelmente no segundo semestre de 2007. Em dezembro houve o menor número de civis mortos num mês nos últimos dois anos.   Continuação...