Marta e Kassab vão ao 2o turno, indicam Ibope e Datafolha

sábado, 4 de outubro de 2008 20:16 BRT
 

SÃO PAULO, 4 de outubro (Reuters) - Na véspera do primeiro turno da eleição para a prefeitura da São Paulo, o prefeito e candidato Gilberto Kassab (DEM) consolidou sua posição e deve disputar o segundo turno com a ex-prefeita Marta Suplicy (PT), que segue na liderança. As conclusões são das pesquisas do Datafolha e do Ibope divulgadas neste sábado pela Rede Globo.

No Datafolha, Kassab abriu vantagem de nove pontos sobre o terceiro colocado, o ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB). O prefeito passou de 27 por cento para 28 por cento das intenções de voto, enquanto Alckmin permaneceu com 19 por cento na pesquisa realizada entre sexta-feira e sábado.

Marta perdeu um ponto percentual e está com 34 por cento. As oscilações de Kassab e Marta ficaram dentro da margem de erro, que é de dois pontos percentuais para mais ou para menos. A vantagem da petista sobre Kassab caiu de 8 para 6 pontos.

Em um eventual segundo turno entre Marta e Kassab, o prefeito ganharia a eleição com 50 por cento enquanto ela teria 41 por cento. Entre Alckmin e Marta, o tucano seria eleito com 50 por cento, e a petista ficaria com 42 por cento.

Ainda no primeiro turno, o ex-prefeito Paulo Maluf (PP) tem 6 por cento, a vereadora Soninha Francine (PPS) conta com 5 por cento e o deputado Ivan Valente (PSOL) tem 1 por cento. Os cinco outros candidatos não pontuaram, segundo a pesquisa do Datafolha, que ouviu 5.153 eleitores na capital e também será divulgada pelo jornal Folha de S.Paulo.

A pesquisa Ibope, encomendada também pelo jornal O Estado de S.Paulo, indica tendência similar. Marta permaneceu com 35 por cento. Kassab passou de 25 para 27 por cento, enquanto Alckmin caiu de 20 para 17 por cento.

Dos demais candidatos, Maluf tem 6 por cento e a vereadora Soninha conta com 5 por cento. Ivan Valente (PSOL) tem 1 por cento e os demais não pontuaram.

O instituto, que ouviu 1.204 eleitores entre quinta-feira e este sábado, não divulgou simulações de segundo turno. A margem de erro é de três pontos percentuais, para mais ou para menos.

(Reportagem de Carmen Munari; edição de Mair Pena Neto)