Irã coopera, mas amplia atividade nuclear, diz AIEA

quinta-feira, 15 de novembro de 2007 17:08 BRST
 

Por Mark Heinrich

VIENA (Reuters) - O Irã está mais transparente em suas atividades nucleares, mas ainda restam muitas questões por responder, e, além disso, o país ampliou significativamente o trabalho de enriquecimento de urânio, segundo um relatório entregue na quinta-feira à ONU.

Os EUA e seus aliados tentam impor uma terceira rodada de sanções da ONU ao Irã, por suspeitar que o país esteja desenvolvendo armas nucleares. Teerã garante que seu programa nuclear é voltado apenas para a geração de eletricidade com fins civis.

A Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA, um órgão da ONU) disse ainda ser incapaz de garantir que o Irã não tem um programa militar secreto, paralelamente ao oficial, para enriquecer urânio, já que Teerã autoriza os inspetores estrangeiros a visitarem apenas as suas poucas instalações nucleares declaradas.

"Sua cooperação tem sido reativa ao invés de pró-ativa", disse o relatório da AIEA. "A cooperação ativa do Irã e a plena transparência são indispensáveis para a plena e imediata implementação do plano de trabalho", afirmou o relatório, referindo-se ao cronograma aprovado neste ano, pelo qual o Irã se compromete a responder gradualmente às questões remanescentes sobre seu programa atômico até o fim de dezembro.

Os Estados Unidos disseram que o relatório prova que o Irã continua desafiando as ordens da ONU para suspender o enriquecimento e que só dá "respostas parciais".

Já o presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, afirmou que o relatório demonstra que o Irã vem dizendo a verdade e que tem o direito de resistir à pressão ocidental para abandonar o programa atômico.

Segundo a AIEA, o Irã ampliou em um terço desde agosto seu parque de centrífugas nucleares, contando agora com 3.000 dessas máquinas, número suficiente para iniciar o enriquecimento de urânio em escala industrial.

Mas uma fonte da ONU familiarizada com o relatório disse que o Irã utiliza essas centrífugas com baixíssima capacidade. Analistas dizem que, mesmo com a carga máxima quase continuamente, essas 3.000 centrífugas levariam 18 meses para produzir material suficiente para uma bomba atômica. Centrífugas servem também para produzir combustível de usinas nucleares.   Continuação...