Mesmo com pacote de incentivos, Irã seguirá com programa nuclear

sábado, 5 de julho de 2008 10:56 BRT
 

Por Hashem Kalantari

TEERÃ (Reuters) - O Irã prometeu neste sábado prosseguir com seu programa de enriquecimento de urânio um dia depois de ter dado sua resposta a um pacote de incentivos oferecido por potências mundiais que visa fazer o país frear suas ambições nucleares.

Não foram divulgados detalhes sobre a resposta formal do Irã na sexta-feira --apresentada ao chefe de política externa da União Européia, Javier Solana-- à proposta de negociações sobre benefícios caso Teerã aceitasse interromper seu programa de enriquecimento de urânio.

Países do Ocidente suspeitam que o programa nuclear de Teerã tem como objetivo a construção de bombas atômicas. O Irã alega que seu projeto tem fins pacíficos.

Em seu primeiro comunicado após o país ter respondido à proposta internacional, o porta-voz do governo iraniano, Gholamhossein Elham, disse que o Irã não tinha a intenção de discutir seu "direito de enriquecer urânio".

"A postura do Irã não mudou e estamos prontos para negociar no sentido de preservar os direitos nucleares do Irã", disse Elham neste sábado em uma entrevista coletiva.

O Irã, quarto maior exportador de petróleo do mundo, alega que suas atividades nucleares têm como único objetivo gerar energia para que a nação possa exportar mais petróleo, mas os Estados Unidos e seus aliados europeus suspeitam que Teerã busca um projeto de possuir bombas atômicas.

O urânio enriquecido pode ser usado como combustível para usinas de energia, mas também serve, se refinado um pouco mais, para prover material para bombas nucleares. As disputas sobre o programa nuclear iraniano espalharam temores de que um enfrentamento militar possa ocorrer e ajudaram a elevar os preços do petróleo.

O ministro do petróleo do Irã disse que qualquer ataque com o objetivo de frear os trabalhos nucleares do país causará uma alta "imprevisível" nos preços do petróleo, informou neste sábado o Ministério do Petróleo em seu site na Internet.

"Quando os preços do petróleo mudam de dez ou quinze dólares por comentários de autoridades (sobre o mercado), eles terão altas imprevisíveis se alguém tomar a decisão insensata de atacar o Irã", disse o ministro Gholamhossein Nozari.

(Texto de Zahra Hosseinian, Parisa Hafezi e Peter Millership)