Carter desafia Israel e reúne-se com ex-ministro do Hamas

terça-feira, 15 de abril de 2008 11:51 BRT
 

Por Mohammed Assadi

RAMALLAH, Cisjordânia (Reuters) - O ex-presidente dos EUA Jimmy Carter reuniu-se na terça-feira com um ex-ministro do governo do Hamas, desafiando os líderes israelenses, que criticaram o vencedor do Prêmio Nobel da Paz por manter contato com o movimento islâmico.

Carter afirmou pretender visitar a Faixa de Gaza, cujo controle o Hamas assumiu em junho após expulsar dali a facção Fatah, um grupo secular ligado ao presidente palestino, Mahmoud Abbas. Segundo o ex-líder norte-americano, seu pedido foi recusado. Carter, porém, não citou Israel nominalmente.

Um membro da delegação que acompanhou o ex-presidente em sua visita a Ramallah disse que o governo israelense havia rejeitado o pedido.

"Não tive autorização para entrar na Faixa de Gaza. Eu gostaria de ter feito isso. Eu pedi autorização. Mas o pedido foi rechaçado. De toda forma, talvez encontremos uma forma de superar isso. Não sei ainda", afirmou Carter.

O ex-líder norte-americano deixou o governo israelense indignado com seus planos de encontrar-se na Síria com Khaled Meshaal, importante líder do Hamas, e por descrever a política de Israel para os territórios palestinos ocupados como um "sistema de apartheid" em um livro lançado no ano de 2006.

Apesar das duras críticas feitas por israelense desde que chegou à região, no domingo, Carter reuniu-se com Naser al-Shaer, que ocupou o cargo de vice-primeiro-ministro do governo do Hamas formado após o grupo ter vencido as eleições parlamentares de 2006.

Shaer, que já se reuniu com Abbas várias vezes após o Hamas ter assumido o controle da Faixa de Gaza, é um político islâmico próximo do Hamas.

Carter, que afirmou não estar agindo como negociador ou como mediador, afirmou que pretendia apenas desempenhar o papel de "comunicador" a fim de repassar "aos líderes dos EUA" o que o Hamas e a Síria têm a dizer.   Continuação...

 
<p>O ex-presidente norte-americano Jimmy Carter no Nepal. Carter reuniu-se na ter&ccedil;a-feira com um ex-ministro do governo do Hamas, desafiando os l&iacute;deres israelenses, que criticaram o vencedor do Pr&ecirc;mio Nobel da Paz por manter contato com o movimento isl&acirc;mico. Photo by Reuters</p>