Governo Bush nega ter vazado vídeo da Al Qaeda

terça-feira, 9 de outubro de 2007 17:33 BRT
 

Por Randall Mikkelsen

WASHINGTON (Reuters) - O governo Bush negou na terça-feira ter vazado um vídeo de Osama bin Laden obtido por uma entidade privada que monitora o terrorismo e se sente prejudicada por ter revelado seus métodos e perdido uma chance de acompanhar a Al Qaeda.

O Instituto Site disse em artigo no jornal The Washington Post que vários anos de trabalho dedicados a monitorar as comunicações da Al Qaeda foram perdidos quando agências do governo divulgaram prematuramente trechos de um vídeo de Bin Laden, no mês passado.

"Técnicas que levaram anos para serem desenvolvidas agora são ineficazes e inúteis", disse Rita Katz, fundadora do Site, ao Post.

Um porta-voz do instituto confirmou o teor do artigo, mas não quis entrar em detalhes.

A Casa Branca nega que tenha vazado o vídeo, mas prometeu investigar o que aconteceu. O gabinete do diretor de Inteligência Nacional disse que as agências de inteligência dos EUA não estiveram envolvidas, e que o governo tem "as pessoas adequadas e os métodos adequados" para monitorar a Al Qaeda.

O que está em questão é um vídeo de Bin Laden, seu primeiro em três anos, preparado para o sexto aniversário dos atentados de 11 de setembro de 2001.

Um site islâmico havia anunciado o vídeo em 7 de setembro, e horas depois funcionários do governo dos EUA anunciaram que já haviam obtido uma cópia e estavam analisando-a.

O Site disse ter obtido o vídeo antes de sua divulgação pela Al Qaeda e permitido que dois importantes funcionários do governo Bush tivessem acesso a ele, sob a condição de não revelar seu conteúdo antes do lançamento oficial.

Mas computadores do governo foram rapidamente usados para baixar o vídeo dos servidores do Site, e o vídeo com a respectiva transcrição foram passados a órgãos de comunicação por pessoas de dentro do governo, segundo o artigo do Site.