Geórgia e Rússia trocam acusações sobre trégua

quarta-feira, 13 de agosto de 2008 12:55 BRT
 

Por Margarita Antidze e Paul Taylor

TBILISI/BRUXELAS (Reuters) - A Geórgia acusou a Rússia na quarta-feira de violar o frágil cessar-fogo anunciado após seis dias de conflito, uma alegação rebatida com vigor pelo governo russo.

Em uma atmosfera marcada por uma troca constante de acusações, o presidente georgiano, Mikheil Saakashvili, disse que tanques russos haviam invadido a cidade de Gori e avançavam rumo à capital do país, Tbilisi. Mais tarde, porém, uma vice-ministra corrigiu essas afirmações.

Segundo o governo russo, o governo georgiano mentia. "Não há soldados ou veículos blindados da Rússia locomovendo-se rumo a Tbilisi," disse à Reuters o coronel-general Anatoly Nogovitsyn, vice-chefe do Estado-Maior da Rússia.

Testemunhas contaram que soldados russos haviam montado ao menos dois postos de controle a vários quilômetros de Gori, e a Rússia afirmou mais tarde ter assumido o controle sobre um depósito de munição georgiano abandonado e situado perto daquela cidade, famosa por ser o local de nascimento de Josef Stalin.

O poderio militar russo, muito superior ao georgiano, humilhou o país vizinho, que, na quinta-feira, lançou uma tentativa mal sucedida de retomar o controle sobre a região pró-Rússia da Ossétia do Sul, provocando uma gigantesca retaliação.

Em Bruxelas, a União Européia (UE) deu apoio ao envio de monitores de paz para a Ossétia do Sul a fim de supervisionar um cessar-fogo mediado pela França. O bloco também acertou intensificar o envio de ajuda humanitária.

"Estamos determinados a entrar em ação naquela área", disse o ministro francês das Relações Exteriores, Bernard Kouchner, depois de participar de um encontro de emergência convocado para debater os esforços de mediação do país dele, atual presidente da UE.

Um porta-voz da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) disse que os EUA haviam convocado uma reunião de chanceleres dos países-membros da entidade a fim de falar sobre a crise na Geórgia. Ao mesmo tempo, as potências ocidentais, divididas, tentavam chegar a um acordo sobre como responder à cabal demonstração de força da Rússia.   Continuação...

 
<p>O presidente da Ge&oacute;rgia Mikheil Saakashvili (dir) ao lado do ministro das Rela&ccedil;&otilde;es Exteriores da Fran&ccedil;a, Bernard Kouchner,  que est&aacute; em miss&atilde;o da Uni&atilde;o Europ&eacute;ia para intermediar o fim do conflito na regi&atilde;o da Oss&eacute;tia do Sul, em Tbilisi dia 10 de A Ge&oacute;rgia acusou a R&uacute;ssia na quarta-feira de violar o fr&aacute;gil cessar-fogo anunciado ap&oacute;s seis dias de conflito. Photo by Stringer</p>