Europeus acusados de raptar crianças enfrentam tribunal no Chade

sexta-feira, 2 de novembro de 2007 18:46 BRST
 

Por Betel Miarom

N'DJAMENA (Reuters) - Os 16 europeus detidos no leste do Chade por tentarem retirar ilegalmente do país 103 crianças africanas foram levados na sexta-feira sob forte esquema de segurança para a capital N'Djamena, onde serão julgados.

Os nove franceses e sete espanhóis foram embarcados num avião militar na cidade de Abeché, leste, onde foram presos na semana passada. Eles são acusados de sequestro e fraude.

Ao chegarem à capital, no oeste do país, foram levados sob escolta para a sede do Judiciário, onde compareceram diante do procurador-geral e do juiz de instrução do caso.

Um dos franceses, o fotógrafo Jean-Daniel Guillou, gritou para os jornalistas que estava sendo detido "ilegalmente". Ele pode ser condenado a 5 a 20 anos de trabalhos forçados.

O promotor Masgaral Tangar disse que as autoridades começaram no sábado a recolher formalmente os depoimentos dos réus.

Seis dos franceses pertencem à ONG Arca de Zoé, que supostamente encaminhava órfãos na guerra civil da vizinha Darfur (Sudão) para adoção por famílias européias. Os três outros são jornalistas.

"Pode-se culpá-los por terem pensado em certo momento que iriam conseguir salvar mais de cem crianças de um verdadeiro inferno?", disse Gilbert Collard, advogado da Arca de Zoé, a jornalistas em Paris.

"Se eles estavam errados em acreditar nisso, em sonhar com isso, se eles estavam errados em torcer por isso -- isso significa que eles merecem trabalho forçado?"   Continuação...