CENÁRIOS-Provável vitória de Kassab dá impulso ao DEM para 2010

sexta-feira, 24 de outubro de 2008 17:43 BRST
 

Por Carmen Munari

SÃO PAULO, 24 de outubro (Reuters) - A quase certa vitória do prefeito Gilberto Kassab na eleição de domingo em São Paulo terá um significado especial para o DEM. Enfraquecido em todo o país, inclusive em redutos históricos do Nordeste, o partido ganhará um novo impulso e um novo líder.

Longe de se caracterizar como projeto unilateral, o DEM divide o sucesso com o PSDB, tendo no horizonte a sucessão presidencial de 2010. Tradicional aliado dos tucanos, o DEM quer manter seu peso político na chapa de oposição que disputará a eleição de 2010

Administrar a principal cidade do país deve se transformar no cartão de visitas do Democratas e o prefeito, tido até agora como articulador de bastidores, ganhará protagonismo dentro e fora da legenda.

A aliança histórica do DEM com o PSDB passará, a partir da eleição, necessariamente pela apreciação de Kassab, que soube costurar o acerto com o governador José Serra, de quem foi vice na eleição de 2004, e levar a gestão nos moldes determinados pelo parceiro partidário.

"Kassab vai se tornar um líder nacional, mas diferente. É gente nova, não é produto do ciclo militar. Será líder de um novo ciclo", disse à Reuters o ex-governador Cláudio Lembo, tradicional integrante do PFL (antigo nome do DEM).

Lembo acredita que uma das principais características de Kassab, que conquistou Serra, é sua a lealdade não apenas ao governador como a seus projetos na prefeitura. "Tanto que aceitou e manteve os secretários do PSDB", analisou Lembo.

Rodrigo Maia, deputado e presidente nacional do DEM, vê na possível eleição a aprovação do gestor da capital. "A população reconhece o líder administrativo, o que deu musculatura a ele", afirmou.

Faz parte da estratégia dos apoiadores de Kassab o cumprimento do mandato de quatro anos na prefeitura, sem a opção da candidatura ao governo do Estado em 2010. A medida também é uma das etapas para o projeto de Serra rumo à Presidência da República.   Continuação...