March 3, 2008 / 1:44 PM / 9 years ago

Presidente do Timor Leste perdoa líder rebelde

3 Min, DE LEITURA

Por Tito Belo

DILI (Reuters) - O presidente de Timor Leste, José Ramos-Horta, gravemente ferido em um atentado em fevereiro, perdoou o líder militar rebelde que liderou o ataque, disse na segunda-feira o presidente interino do pequeno país, Fernando Lasama.

Aparentemente, esse anúncio visa a promover a reconciliação e estimular soldados rebeldes a se entregarem.

Ramos-Horta foi levado às pressas para Darwin, na Austrália, depois de ser baleado no dia 11 num atentado liderado pelo ex-militar Alfredo Reinado, que foi morto no incidente. O primeiro-ministro Xanana Gusmão escapou ileso de outro ataque naquele mesmo dia.

Um dos líderes rebeldes, Amaro da Costa, o Susar, se entregou no domingo em Turiscai, 120 quilômetros ao sul de Dili, a capital, segundo relato feito em entrevista coletiva no domingo pelo comandante militar Filomeno Paixão.

Há mandados de prisão contra 17 pessoas suspeitas de envolvimento no ataque, inclusive Gastão Salsinha, que assumiu a liderança dos rebeldes depois da morte de Reinado.

Na segunda-feira, seis rebeldes se entregaram ao comando militar na localidade de Gleno Ermera, 75 quilômetros a oeste de Dili, segundo Gusmão.

"Gastão Salsinha não se entregou, ainda, mas vai se entregar às autoridades de Timor Leste. Ele virá em breve a Dili", afirmou o primeiro-ministro.

José Afonço, parente de Salsinha, disse à Reuters que o líder rebelde pode se render na terça-feira. Lasama, o presidente-interino, que visitou Ramos-Horta no hospital em Darwin no fim de semana, afirmou em entrevista coletiva em Dili que o presidente perdoou Reinado e pediu ao governo que cuide da família do líder rebelde.

"O presidente também pediu às pessoas que acabem com a violência no país", afirmou Lasama. "A operação contra os rebeldes deve continuar até que os reclamantes e o grupo de Salsinha desistam e entreguem todas as armas", acrescentou.

Segundo Lasama, a saúde de Ramos-Horta melhorou, mas ele ainda precisa de descanso. "O presidente se recuperou e consegue caminhar, mas ainda precisa de um mês para descansar fora do hospital", explicou.

A ex-colônia portuguesa, independente da vizinha Indonésia desde 2002, continua precisando de uma força internacional para tentar manter sua estabilidade. Na semana passada, o Conselho de Segurança da ONU prorrogou por um ano o mandato da missão de paz.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below