Bush tranquilizou Israel sobre segurança, diz Olmert

domingo, 13 de janeiro de 2008 10:41 BRST
 

Por Jeffrey Heller

JERUSALÉM (Reuters) - Durante sua recente visita, o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, garantiu a Israel que os palestinos terão de cumprir suas obrigações em relação à segurança antes de qualquer acordo de paz ser implementado, afirmou no domingo o primeiro-ministro israelense, Ehud Olmert.

Encarando a possível saída de um aliado de direita da coalizão das negociações de paz de Israel com os palestinos, Olmert abriu a reunião de gabinete semanal deixando claro que não haverá pressa em relação à soberania palestina.

"O presidente ... reiterou o comprometimento total dos Estados Unidos para que nenhum acordo entre nós e os palestinos seja colocado em prática antes da implementação completa do 'mapa da paz', em todas as obrigações em relação à segurança de Israel", disse Olmert.

Olmert afirmou que os compromissos em relação à segurança previstos no "mapa da paz", um plano de 2003 proposto pelos EUA que pede aos palestinos que controlem os militantes e que Israel impeça qualquer atividade nos assentamentos, se aplicam não só à Cisjordânia, mas também à Faixa de Gaza, controlada pelo Hamas.

Não se sabe como o presidente palestino, Mahmoud Abbas, pode controlar a segurança na Faixa de Gaza com os islamistas do Hamas no comando. O Hamas se opõe às negociações de paz com Israel.

Israel também não cumpriu suas obrigações segundo o mapa da paz, incluindo a promessa de retirar dezenas de assentamentos construídos na Cisjordânia sem autorização do governo.

Durante sua primeira visita presidencial em Israel e Cisjordânia, que acabou na sexta-feira, Bush disse que os assentamentos "tem de sair". Numa reunião de gabinete, Olmert chamou os assentamentos de "uma desgraça", afirmou um participante que não quis ser identificado.

Mas o líder israelense, embora critique a presença dos assentamentos, não disse quando vai tomar uma atitude contra eles.

Ele vem sendo cauteloso para evitar confronto com os colonos judeus e com o Yisrael Beiteinu, um aliado de direita na coalizão, que defende a causa dos colonos e cujos líderes ameaçaram sair do governo por causa das negociações com Abbas.

Bush, que passou três dias em Israel e na Cisjordânia antes de viajar para o Golfo, em sua visita de uma semana ao Oriente Médio, previu que Israel e os palestinos assinarão um tratado de paz antes do final de seu mandato, em janeiro de 2009.