Leilão de vinhos em Hong Kong arrecada US$ 8,2 milhões

sábado, 31 de maio de 2008 15:50 BRT
 

Por James Pomfret

HONG KONG, 31 de maio (Reuters) - A maior casa de leilão de vinhos da América vendeu 8,2 milhões de dólares em finas e raras garrafas em Hong Kong neste sábado, na maior venda desse tipo na Ásia, ressaltando o potencial da cidade como centro regional de vinhos.

O leilão da Acker Merrall & Condit em Hong Kong reuniu centenas de colecionadores locais, da China, da Ásia e do Ocidente.

O clima foi festivo para os lances no primeiro dia de leilão, que arrecadou o equivalente a 8,2 milhões de dólares em vendas, com 92 por cento dos 922 lotes vendidos, quebrando pelo menos cinco recordes mundiais de leilão de vinhos finos.

O principal momento do dia foi uma caixa de 12 garrafas de Domaine de la Romanee-Conti, de 1990, considerado muitas vezes o vinho mais caro do mundo. Ela foi vendida por 242 mil dólares. O preço foi um recorde mundial para qualquer Romanee-Conti de qualquer vindima já vendida.

Duas garrafas de champagne Dom Perignon de vindimas de 1966, 1973 e 1976 arrecadaram 93 mil dólares, o preço mais caro já pago por qualquer champagne. Uma caixa de Chateau Le Pin 1982 foi comprada por 105 mil dólares, enquanto uma caixa de Chateau Mouton Rothschild 1945 foi vendida por 155 mil.

O Mouton Rothschild de 1945 é considerado uma das grandes vindimas do Chateau e tem um "V" em seu rótulo para marcar a vitória aliada na Segunda Guerra Mundial. "É um pedaço muito especial de história", afirmou Cecilia Piacitelli, compradora do vinho de 63 anos.

O leilão ocorre meses após Hong Kong ter derrubado seu imposto de 40 por cento sobre o vinho em fevereiro, para tentar se desenvolver como um centro de vinhos na Ásia, seguindo assim Londres e Nova York.

"A queda de taxas é ótima. Acho que o resto do mundo precisa seguir os passos de Hong Kong. Talvez a China seja a próxima, Rússia ou Indonésia", afirmou John Kapon, presidente da Acker.

Alguns grandes colecionadores que frequentam leilões de vinho na Europa e nos Estados Unidos afirmaram que os preços em Hong Kong estavam muito altos. Acker realizará outro leilão em Hong Kong em novembro.