Agressores receberão 'tapa na cara', diz clérigo iraniano

sexta-feira, 20 de junho de 2008 10:58 BRT
 

TEERÃ, 20 de junho (Reuters) - Israel e os Estados Unidos receberão um "tapa na cara" da parte do Irã se falarem sobre usar a força contra a República Islâmica, afirmou na sexta-feira um clérigo iraniano da linha-dura.

Citando autoridades norte-americanas não identificadas, o jornal The New York Times disse na sexta-feira que Israel havia realizado neste mês um grande exercício militar parecido com um ensaio para um eventual bombardeio às instalações nucleares do Irã.

Países do Ocidente suspeitam que os iranianos tentam desenvolver secretamente bombas atômicas. O governo do país islâmico diz que suas instalações nucleares visam única e exclusivamente à produção de energia elétrica.

Os EUA e Israel disseram preferir resolver o impasse por meio da diplomacia, mas não descartaram a possibilidade de recorrer à força.

"Se nossos inimigos, em especial Israel e seus aliados norte-americanos, adotarem uma linguagem do uso da força contra o Irã, podem ter certeza de que receberão um tapa na cara por parte do Irã", afirmou a fiéis o clérigo Ahmad Khatami, durante orações realizadas na Universidade Teerã e transmitidas ao vivo por uma rádio.

"A nação iraniana é uma nação racional e corajosa. E sua resposta a métodos racionais será uma resposta racional."

Segundo o jornal norte-americano, mais de 100 caças israelenses F-16 e F-15 participaram das manobras realizadas sobre o leste do Mediterrâneo e a Grécia, na primeira semana de junho. A publicação disse que oficiais das Forças Armadas de Israel não comentariam o assunto.

O New York Times afirmou ainda que o exercício parecia concentrar-se nos ataques de longo alcance e ilustrava a seriedade com que Israel vê o programa nuclear do Irã.

Segundo uma autoridade do Pentágono que conversou com o jornal a respeito do exercício, o objetivo da manobra era enviar a mensagem clara de que Israel estar preparado para agir militarmente se outros esforços não impedirem o Irã de produzir urânio suficientemente enriquecido para ser usado na fabricação de bombas atômicas.

O país islâmico avisou várias vezes que lançará seus mísseis de médio alcance se for atacado. O governo iraniano diz que os mísseis Shahab-3 possuem um raio de ação de cerca de 2.000 quilômetros, significando que seriam capazes de atingir Israel, bases norte-americanas do golfo Pérsico e soldados estrangeiros presentes no Iraque.