Annan se despede do Quênia após acordo para criação de coalizão

domingo, 2 de março de 2008 12:42 BRT
 

Por Wangui Kanina

NAIRÓBI (Reuters) - O Quênia tem "um longo caminho pela frente" para que o acordo de partilha do poder entre o governo e a oposição tenha êxito, disse o mediador Kofi Annan no domingo, quando deixou Nairóbi após seis semanas de negociações exaustivas.

O presidente Mwai Kibaki e o líder oposicionista Raila Odinga assinaram na quinta-feira um acordo para a formação de um governo de coalizão, visando pôr fim a quase dois meses de turbulência política e derramamento de sangue após a eleição de 27 de dezembro, cujos resultados foram contestados.

A calma voltou ao país, após semanas de violência que deixaram mil quenianos mortos e obrigaram 300 mil a abandonar suas casas. Agora, políticos de ambos os lados iniciaram negociações mais detalhadas para decidir como será implementado o acordo de coalizão.

O Parlamento será reaberto em Nairóbi na quinta-feira e deve ratificar o acordo de coalizão, que concede a Odinga o cargo de primeiro-ministro.

As atenções vão se voltar a ele e Kibaki, para saber se eles conseguirão superar sua relação frequentemente conflitiva para trabalharem em conjunto.

"Fico satisfeito por termos chegado até aqui, mas ainda temos um longo caminho pela frente. Eu gostaria que todos vocês continuassem engajados", disse a jornalistas Kofi Annan, que mediou o acordo para a formação da coalizão.

"Queremos que o Quênia volte a ser o Quênia de antes. Estável, pacífico, próspero, hospitaleiro", disse o ex-secretário-geral da ONU.

A violência devastou o setor turístico queniano, maior fonte de divisas do país e que no ano passado rendeu quase 1 bilhão de dólares ao Quênia. A moeda nacional, o xelim queniano, só recuperou seu valor depois de fechado o acordo da quinta-feira.   Continuação...

 
<p>O mediador e ex-secret&aacute;rio-geral da ONU, Kofi Annan, fala &agrave; imprensa em Nair&oacute;bi, neste domingo. O Qu&ecirc;nia tem 'um longo caminho pela frente' para que o acordo de partilha do poder entre o governo e a oposi&ccedil;&atilde;o tenha &ecirc;xito, disse o mediador Kofi Annan no domingo, quando deixou Nair&oacute;bi ap&oacute;s seis semanas de negocia&ccedil;&otilde;es exaustivas. Photo by Thomas Mukoya</p>