Rússia apresenta proposta de resolução sobre a Geórgia

quarta-feira, 20 de agosto de 2008 19:06 BRT
 

Por Patrick Worsnip

NAÇÕES UNIDAS (Reuters) - A Rússia apresentou na quarta-feira sua proposta de resolução da ONU sobre a crise na Geórgia, um dia depois de vetar informalmente a proposta ocidental, que exigia a imediata retirada russa do país vizinho.

O texto russo simplesmente repete e dá aval ao plano de paz francês, já subscrito na semana passada por Rússia e Geórgia.

Diplomatas ocidentais dizem que, embora sejam favoráveis ao plano, não querem consagrá-lo numa resolução da ONU, pois a Rússia estaria ignorando os itens relativos à pronta desocupação militar.

O embaixador-adjunto dos EUA na ONU, Alejandro Wolff, não escondeu a oposição de seu país à proposta russa, que segundo ele pretende "carimbar uma interpretação russa com a qual não concordamos".

A crise no Cáucaso começou no dia 7, quando a Geórgia enviou tropas para tentar retomar o controle da Ossétia do Sul, uma região separatista e etnicamente diversa que desde 1991 goza de autonomia sob proteção de Moscou.

A Rússia reagiu enviando tropas que expulsaram as tropas georgianas da Ossétia do Sul e ocuparam parte da Geórgia propriamente dita. Moscou prometeu nesta semana que a desocupação completa ocorrerá até o dia 22.

Mesmo antes desse conflito, Moscou já via com maus olhos a aproximação da Geórgia com o Ocidente --essa ex-república soviética é candidata a aderir à Otan.

Agora, os 15 países do Conselho de Segurança têm diante de si duas propostas conflitantes de resolução, com poucas chances de aprovação de qualquer uma delas, por causa do poder de veto de EUA, França, Grã-Bretanha, China e Rússia.

O texto russo diz que o Conselho de Segurança apóia o plano francês de seis itens, que então é citado em detalhes. Na conclusão, a resolução "pede às partes envolvidas que implementem o supramencionado plano com boa-fé".

A versão apresentada na terça-feira, redigida pela França após consulta a outros governos ocidentais, estabelecia o recuo das forças russas para as posições prévias ao conflito, o retorno dos soldados georgianos para os quartéis e o cumprimento integral do cessar-fogo já aceito por ambos os governos.