Microsoft deve reduzir projeções diante da crise econômica

terça-feira, 21 de outubro de 2008 15:52 BRST
 

Por Daisuke Wakabayashi

SEATTLE, 21 de outubro (Reuters) - A Microsoft (MSFT.O: Cotações) deve reduzir suas projeções para o restante do ano, à medida que os clientes reduzem os gastos com software devido à desaceleração econômica.

As ações da Microsoft caíram à sua mais baixa cotação em oito anos, e rivais como a SAP (SAPG.DE: Cotações) já alertaram sobre problemas de demanda.

"Dada a atual situação macroeconômica, creio que exista uma expectativa de que a empresa aproveite a oportunidade para reduzir ligeiramente suas projeções", disse Pat Becker Jr., gerente de carteira da Becker Capital Management. A Microsoft é a ação mais importante do Becker Value Equity Fund, que tem 62 milhões de dólares sob sua administração.

No mês passado, o presidente-executivo da Microsoft, Steve Ballmer, confirmou o que a maioria dos investidores já suspeitava: a maior produtora mundial de software não está imune à desaceleração econômica que afeta o setor.

Wall Street já está se preparando para que a Microsoft fique abaixo das expectativas no ano fiscal de 2009, ou apresente resultados próximos do limite mais baixo das projeções anunciadas em julho.

De acordo com a Reuters Estimates, a média dos analistas espera que o lucro da Microsoft seja de 2,12 dólares por ação no ano fiscal de 2009 -- o extremo mais baixo da projeção da empresa, que oferece faixa de 2,12 a 2,18 dólares. Wall Street antecipa receitas de 66,7 bilhões de dólares, abaixo da projeção entre 67,3 bilhões e 68,1 bilhões de dólares que a empresa oferece.

A Microsoft há muito defende a idéia de que seus produtos representam parte pequena mas essencial dos gastos empresariais com tecnologia, e que seu software e mercados são diversificados e não estão expostos demais a uma área específica.

No entanto, muitos investidores antecipam que a atual crise financeira deva se estender por mais tempo e causar desaceleração econômica mais profunda do que crises precedentes.

Sid Parakh, analista da McAdams Wright Ragen, que recomenda compra de ações da Microsoft, diz que a desaceleração de gastos pode prejudicar as vendas de computadores, um indicador associado estreitamente com a receita da divisão Windows da empresa.

"Dada a turbulência nos mercados financeiros e a cautela intensificada quanto às perspectivas econômicas mundiais, esperamos um recuo dos consumidores quanto aos gastos com tecnologia da informação", escreveu Parakh em nota a clientes na segunda-feira.