Sob críticas, Correa inaugura Constituinte

sexta-feira, 30 de novembro de 2007 21:14 BRST
 

Por Alexandra Valencia

MONTECRISTI, Equador (Reuters) - O presidente do Equador, Rafael Correa, inaugurou na sexta-feira a Assembléia Constituinte, que imediatamente suspendeu temporariamente o funcionamento do Congresso, despertando criticas de autoritarismo contra o governo.

A assembléia de 130 membros se declarou plenipotenciária, o que lhe permite adotar várias resoluções destinadas a alterar a estrutura do Estado e instaurar um sistema socialista.

A Constituinte já havia tomado posse e escolhido seu presidente na quinta-feira, quando também confirmou a permanência de Correa no cargo. Na sexta-feira, o presidente nacionalista abriu oficialmente os trabalhos, que devem durar 180 dias --prorrogáveis por mais 60.

Os constituintes também decidiram colocar o Congresso em recesso até que a nova Constituição seja submetida a referendo, em 2008. Pesquisas mostram que o Parlamento é uma das instituições mais desprestigiadas do Equador.

"A assembléia é o início da revolução cidadã, a mudança radical que tanto anseia o povo equatoriano", disse Correa, em discurso a centenas de convidados, prometendo também "uma mudança radical nas estruturas vigentes".

"Estão dando a uma só pessoa o controle sobre os poderes do Estado. Isso viola e contraria a vontade popular", queixou-se o constituinte Gilmar Gutiérrez, do partido Sociedade Patriótica.

Resignado, o presidente do Congresso, Jorge Cevallos, disse que "os equatorianos votaram neles (constituintes) e agora terão de agüentar o que fizerem". "Os equatorianos é que vão decidir sobre seu futuro", acrescentou, numa referência ao referendo de 2008 sobre a nova Constituição.

Correa minimizou as críticas, dizendo que as mudanças "são coisas boas porque há um projeto nacional".   Continuação...